Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Andes: crise em três países acirra polarização na região

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Da Redação

Os Andes enfrentam momentos de inquietação. Pelo menos três países estão passando por uma fase delicada. A dissolução do Congresso do Peru, os fortes protestos desencadeados pelo aumento do preço da gasolina no Equador, que em 3 de outubro declarou estado de exceção, e as iminentes eleições presidenciais na Bolívia atraem o foco para uma região acostumada às crises políticas. Os motivos das turbulências, e sua intensidade, são diferentes. No entanto, o coquetel de corrupção, insatisfação social e polarização exacerbada entre Governos e oposição multiplicam a tensão de Quito a La Paz.

O último pavio foi aceso no Equador. A eliminação de um subsídio ao preço do combustível provocou manifestações que levaram o presidente Lenín Moreno a decretar estado de exceção. A medida, embora drástica, tem um caráter preventivo para facilitar as detenções nos episódios de violência. Mas a greve nacional no setor de transporte é mais um reflexo do clima político geral e se enquadra, em última análise, no conflito entre o atual presidente e seu antecessor, Rafael Correa.

Para aumentar a pressão sobre o governo de Moreno, no dia 9 de outubro foi realizada uma greve geral. Duas concentrações na capital, Quito, foram reprimidas com violência pelas tropas militares e policiais. Três marchas ocorreram em Guayaquil, para onde a sede do governo foi transferida, e dezenas de rodovias foram bloqueadas em todo o país. Tudo isso em meio ao toque de recolher e à restrição do movimento em áreas próximas a prédios públicos, determinado na véspera pelo presidente Moreno após manifestantes terem invadido a Assembleia Nacional, em Quito.

No vizinho Peru, o Congresso foi fechado, por meio de decreto publicado em 7 de outubro, pelo presidente Martín Vizcarra. Ele aplicou um artigo da Constituição para pôr fim a uma situação de bloqueio e frear uma manobra voltada para o controle do Tribunal Constitucional, e em seguida convocou eleições legislativas, que serão realizadas no final de janeiro. No entanto, a maioria do Parlamento, dominado pela Força Popular e por seus aliados, tomou uma decisão audaciosa: destituiu − embora de maneira simbólica − o chefe de Estado e nomeou como presidenta em exercício a número dois do Executivo, Mercedes Aráoz. Esta acabou renunciando e seu recuo acalmou as águas, embora não tenha resolvido o problema de fundo. A sociedade peruana assiste há anos diversos casos de corrupção, relacionados principalmente às propinas da construtora brasileira Odebrecht, nos quais estão envolvidos todos os ex-presidentes vivos e a líder da oposição.

O duro conflito entre Governo e oposição também sacode, há mais de uma década, a Bolívia. No dia 20 de outubro o país vai decidir se elege Evo Morales para um quarto mandato. Morales é o último representante daquilo que foi uma espécie de eixo bolivariano na região. O presidente boliviano concorre apesar de ter perdido um referendo sobre a reeleição ilimitada e após ter sido habilitado pelo Tribunal Eleitoral. E o Governo sabe que, se não ganhar no primeiro turno — precisa obter mais de 50% dos votos ou alcançar 40% e ter uma vantagem de dez pontos sobre o segundo colocado —, o cenário se complicará no segundo.

Às tensões desses três países se somam as vividas há meses na Colômbia. Neste caso, o clima político é determinado em boa medida pela aplicação dos acordos de paz com as FARC. Há um mês, um grupo de dissidentes da extinta guerrilha, encabeçado por Iván Márquez e JesúsSantrich, decidiu romper o acordo com o Governo de Juan Manuel Santos e retomar as armas. (com informações do El País)

Foto: CNSN

pt Português
X
Open chat