Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Planejamento financeiro: é possível suprir as necessidades do presente, de olho no futuro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Sabe aquela história de que sempre sobra mês no fim do salário? Pois é, a frase é comum, mas o resultado dessa matemática está longe de ser o ideal. Sabemos que, em tempos de crise, achatamento salarial, desemprego que passa dos 12% da população brasileira, é difícil ter uma ‘sobra’ de dinheiro no fim do mês. Então, se acordo com especialistas, a palavra chave é planejamento.

De acordo com a economista e especialista em finanças Janaína Calvo, é preciso reprogramar nosso cérebro, tanto para lidar com números − coisa com as quais nossos pais normalmente também não estavam acostumados − para dimensionar o real valor das coisas. “Uma pessoa que ganha R$ 50 mil por mês e gasta R$ 70 mil não vai dormir direito, certamente não vive feliz. Mas conheço uma pessoa, por exemplo, que ganhava R$ 2 mil, pagava seu aluguel, poupava uma parte, pagava suas contas e vivia bem, com alegria e paz. A novidade é que dá pra ser feliz com pouco. Precisamos aprender a nos organizar”, afirma.

Economista Janaína Calvo

E em tempos de redes sociais, ostentar felicidade e conquistas, por vezes materiais, acaba gerando gastos desnecessários. “Você realmente ‘precisa’ ter um I Phone de última geração? Ah… mas é importante postar isso com um baita sorriso. Será? Temos que definir o que é realmente prioridade”, diz Janaína, que comemora o fato de que a matéria planejamento financeiro, por decisão do MEC, será inserida no currículo da rede de ensino básico.

Para a economista, a orientação dos pais e da escola em relação à questão financeira é fundamental para que as futuras gerações consigam dar um destino mais consciente ao dinheiro e, consequentemente, valorizem o trabalho, que é a origem natural do que se ganha. “Estamos educando muito mal nossos filhos. Claro que queremos dar o melhor, mas nada do que vem muito fácil é valorizado. Lutamos muito para construir nosso legado. Se os jovens não aprendem a lutar para ter, não teremos sequer o direito de morrer”, acredita.

Cauê Campos

O jovem ator Cauê Campos, de 17 anos, que viveu o Feijão na novela ‘Sétimo Guardião’, valoriza muito o seu dinheirinho suado. “Eu guardo quase tudo. Na verdade eu tiro uma partezinha beeem pequena pra pagar algumas coisas e pra ter um pouquinho pro mês, caso eu dê uma saída ou algo assim. E quero muito começar a investir! Mas, por enquanto, sigo apenas guardando e planejando gastar o mínimo sempre”, diz o ator, que recebe as sábias orientações da mãe, Fátima, também mãe do ator Cadu Paschoal, de 22 anos.

Cauê e sua mãe, Fátima

“Sempre ensinei a eles que nem tudo que a gente vê precisa comprar. Eu vivia com muito menos que eles têm hoje e sempre fui muito feliz. Os dois investem muito nas carreiras deles, fazendo cursos relacionados à profissão, inglês… E, por lei, 40% de tudo que ganham vai para a poupança. Gastam com um cinema, uma saída, são jovens. É normal. Mas são bem conscientes”, conta.

Janaína Calvo explica que o primeiro passo é fazer ‘a conta fechar’. “Cortar mesmo. Não tem jeito, pois é mais fácil deixar de gastar do que ganhar mais. Diminui o plano do celular, troca a TV a cabo por uma assinatura basicona do Netflix… Se você economiza 10% do que ganha durante um ano, esta economizando um ano de sua vida. É a sua liberdade financeira. E só após esse período podemos realmente começar a investir. Menos que um ano é pura especulação. E investir em causas sociais é um alimento para a alma. É preciso deixar algo para o mundo, o exercício da doação é primordial”, ensina.

Lucas e Franciely Freduzeski

Mãe precavida, atriz Franciely Freduzeski abriu uma conta bancária para o filho Lucas, hoje com 16 anos, assim que o menino nasceu. Quando foi crescendo, cada vez que ia pagar uma compra, ela o ensinava a contar o dinheiro e o deixava pagar algumas coisas para o menino entender os valores, além de ressaltar a importância de ter uma casa própria, plano de saúde, priorizar a educação… De gastar, mas também poupar. “Hoje ele joga futebol na base do Atlético Paranaense, recebe um salário, administra seu dinheiro muito bem, guarda mais da metade e tem noção do que é prioridade”, conta.

pt Português
X
Open chat