Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Contas rejeitadas no TCE-RJ viram ‘fato novo’ para pedido de impeachment de Witzel

Governador Wilson Witzel (Foto: Reprodução)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Sem conseguir reconstituir sua base de apoio com deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), o governador Wilson Witzel (PSC) vem enfrentando uma série de pedidos de impeachment protocolados na Casa nas últimas semanas. Nesta quarta-feira (3), deve chegar à Mesa Diretora da Alerj a oitava solicitação de abertura de processo de impedimento do governador.

Desta vez, o chamado “fato novo”, como os deputados vêm destacando, é a reprovação das contas de 2019 do governo pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ). Na última segunda-feira (1º), os conselheiros do TCE votaram e aprovaram por unanimidade o relatório que aponta descumprimento de investimentos em áreas como Saúde, Educação, Habitação e Combate à Pobreza.

O TCE-RJ aprovou voto com sete irregularidades, 39 impropriedades e 65 determinações ao Poder Executivo. O documento foi encaminhado ao governo do estado para que seja apresentada a defesa e à Alerj, a quem cabe o julgamento final das contas com base no parecer técnico emitido pelo TCE-RJ. Mas ainda não há data para a votação do relatório.

Segundo o relatório do TCE-RJ, aprovado pelos conselheiros por unanimidade, Witzel investiu menos do que determina a lei. Na Saúde, o governo aplicou 11,46% das receitas de transferência de impostos em ações e serviços de saúde, valor menor que os 12% exigidos por Lei Complementar e pelo artigo 198 da Constituição Federal. Na Educação, o governo estadual aplicou 24,43%, quando o limite mínimo determinado pela Constituição Federal é de 25%.

As áreas também foram prejudicadas, aponta o TCE-RJ, por descumprimento de lei federal que regulamenta a destinação para Saúde e Educação de parcela da participação no resultado ou da compensação financeira pela exploração de petróleo e gás natural.

Autor do relatório, o conselheiro Rodrigo do Nascimento também ressaltou no documento que Witzel destinou apenas 1,41% dos recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (FECP) ao Fundo Estadual de Habitação de Interesse Social (Fehis). O montante foi bastante inferior ao percentual mínimo de 5%, fixado por Lei Estadual.

Escândalos

Toda a desarticulação do governo na Alerj teve como uma das causas as denúncias envolvendo membros da Secretaria de Saúde e de outras pastas. Na semana passada, a Polícia Federal deflagrou uma operação que teve como alvo endereços relacionados a Witzel. Tanto o Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador, quanto a casa de Witzel, no Grajaú, zona norte da cidade, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão.

O principal teor das denúncias é o desvio de recursos relacionado à dispensa de licitação na compra emergencial de equipamentos para o combate à pandemia da covid-19 e contratos celebrados com o empresário Mário Peixoto, que foi preso em abril e já prestava serviços em diversas secretarias estaduais no governo de Sérgio Cabral (MDB), também preso em Bangu 8, na zona oeste.

O nome de Witzel também foi enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR) depois de uma outra operação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal (MPF) que prendeu o ex-subsecretário estadual de saúde Gabriell Neves. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) também autorizou a quebra de sigilo telefônico e de equipamentos eletrônicos do governador e da primeira-dama do estado, a advogada Helena Witzel.

Nos corredores da Alerj, a informação que circula é que a mesa diretora vai autorizar a abertura do processo. Após cumprimento de alguns trâmites, os deputados poderiam votar pelo afastamento ou permanência de Witzel no Palácio Guanabara. Autor de um dos pedidos de impeachment, o deputado estadual Luiz Paulo (PSDB) disse, durante uma das sessões virtuais da Alerj, que as denúncias são graves.

“Apresentei o pedido de impeachment do governador porque constitui crime de responsabilidade deixar os recursos públicos se esvaírem, por ação ou inação. É inaceitável que, em plena pandemia, estejamos presenciando atos de corrupção com desvio dos nossos, já escassos, recursos públicos”, comentou o parlamentar.

Com informações do Brasil de Fato

pt Português
X
Open chat