Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Réveillon em Copa sem fogos ou multidão na areia

Um panorama da praia de Copacabana na virada de ano, em meio ao surto da doença coronavírus (COVID-19), no Rio de Janeiro, Brasil 31 de dezembro de 2020.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

Este ano não foi igual ao que passou. A Praia de Copacabana, símbolo da festa da virada do ano no país, que chega a reunir 3 milhões de pessoas no réveillon, recebeu ontem, 31 de dezembro apenas pequenos grupos para passar a meia-noite. Com a festa oficial cancelada na cidade do Rio de Janeiro, sem a tradicional queima de fogos nem palcos com atrações musicais em diversos pontos da cidade, os moradores e turistas respeitaram a recomendação de ficar em casa e evitar aglomerações.

O objetivo é diminuir o contágio da covid-19, que nos últimos dois meses voltou a aumentar em todo o Brasil e já está na casa das 195 mil vítimas fatais. Ontem (31), um laboratório de São Paulo confirmou a identificação de uma variante do novo coronavírus que, além de ser mais transmissível, já é amplamente encontrada na Inglaterra e nos Estados Unidos.

Mesmo assim, durante o dia, houve grande movimento nas praias, como no Leme. Na hora da virada no entanto o movimento foi bem menor, especialmente depois de uma pancada de chuva que caiu na Zona Sul. De acordo com a Polícia Militar, não houve um número expressivo de ocorrências. “Nossas equipes passaram a noite atuando no intuito da conscientização, dialogando com a população e dispersando pequenos e médios grupos de pessoas”. A corporação informou que essas ações não geram registros.

Praia do Leme recebeu grande número de banhistas durante o último dia do ano, apesar do cancelamento da festa de Réveillon (Foto Fernando Frazão/ABr)

Este ano não foi igual ao que passou. A Praia de Copacabana, símbolo da festa da virada do ano no país, que chega a reunir 3 milhões de pessoas no réveillon, recebeu ontem, 31 de dezembro apenas pequenos grupos para passar a meia-noite. Com a festa oficial cancelada na cidade do Rio de Janeiro, sem a tradicional queima de fogos nem palcos com atrações musicais em diversos pontos da cidade, os moradores e turistas respeitaram a recomendação de ficar em casa e evitar aglomerações.

O objetivo é diminuir o contágio da covid-19, que nos últimos dois meses voltou a aumentar em todo o Brasil e já está na casa das 195 mil vítimas fatais. Ontem (31), um laboratório de São Paulo confirmou a identificação de uma variante do novo coronavírus que, além de ser mais transmissível, já é amplamente encontrada na Inglaterra e nos Estados Unidos.

Mesmo assim, durante o dia, houve grande movimento nas praias, como no Leme. Na hora da virada no entanto o movimento foi bem menor, especialmente depois de uma pancada de chuva que caiu na Zona Sul. De acordo com a Polícia Militar, não houve um número expressivo de ocorrências. “Nossas equipes passaram a noite atuando no intuito da conscientização, dialogando com a população e dispersando pequenos e médios grupos de pessoas”. A corporação informou que essas ações não geram registros.

Menos lixo na orla

Segundo o presidente da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb), Flávio Lopes, o monitoramento feito pela companhia e pelo Centro de Operações Rio (COR) mostrou uma redução drástica de pessoas nas orlas, em comparação com o réveillon do ano passado. De acordo com ele, a primeira parte da limpeza em Copacabana ocorre entre 22h e 3h e este ano foi recolhido apenas 12% do lixo de costume.

“O primeiro número que a gente tem é da operação noturna de Copacabana, é um bom grau de comparação. No ano passado a gente recolheu 50 toneladas de lixo e esse ano recolhemos 6,5 toneladas, ou seja, um pouco mais de 12% do volume de lixo gerado no ano passado”.

A segunda parte da operação, que começou às 6h, também seguiur a mesma proporção, segundo Lopes. “Ano passado tivemos um pouquinho mais do que 750 toneladas. A Expectativa é que a gente fique em volta de 20 toneladas [este ano]”.

A Comlurb trabalhou com 70% do efetivo normalmente escalado para o réveillon.

Fotos:ABr

pt Português
X
Open chat