Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

“Invisíveis” – Espetáculo do Coletivo Pé na Porta estréia dias 06 e 07 de março

Fonte: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

 

Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc apresentam “Invisiveis” .

Com tradução em Libras, espetáculo do Coletivo Pé na Porta aborda racismo em reestreia online dias 06 e 07 de março, às 20h, na plataforma Sympla.

Invisíveis conta a história de três pessoas pretas que trabalham como auxiliar de serviços gerais num mesmo lugar e como se dá a manutenção da invisibilidade desses profissionais.

Esse recorte apresenta o resumo de suas vidas repletas de camadas e também mostra suas trajetórias até chegarem nesse momento.

O texto inédito, escrito por Renata Tavares, que também dirige o espetáculo, aborda como o racismo é fundamental para a base estrutural econômica-política-social no Brasil.

É através da perspectiva das histórias que os personagens contam, que se percebe como qualquer outro fator como a conservação desenfreada do capitalismo, a exposição da pessoa como lgbtqi+ e a subjugação de alguém que cumpriu pena, se torna mais um recurso na utilização da depreciação da vida humana preta.

A cor evidencia essa complexa relação desses trabalhadores com os seus superiores que na grande maioria, nem percebem que eles existem, nem sabem seus nomes, e se aproveitam hierarquicamente por estarem acima para estereotipá-los.

A abordagem realizada pelos atores de forma descontraída e intensa, provoca uma reflexão sobre o racismo, desigualdade social, homofobia, humilhação e demais situações enfrentadas cotidianamente  por esses profissionais invisibilizados  pela sociedade.

Sinopse

Invisíveis  conta a história de três pessoas pretas que trabalham como auxiliar de serviços gerais num mesmo lugar e como se dá a manutenção da invisibilidade desses profissionais.
Esse recorte apresenta o resumo de suas vidas repletas de camadas e também mostra suas trajetórias até chegarem nesse momento.
A obra relata como o racismo reflete na base estrutural econômica-política-social no Brasil.  E como fatores como a conservação desenfreada do capitalismo, a exposição da pessoa como lgbtqi+ e a subjugação de alguém que cumpriu pena, se torna mais um recurso na utilização da depreciação da vida humana preta.
Retratos Invisíveis tem o objetivo de promover a reflexão  sobre o racismo estrutural e suas consequências sociais  e o quanto é preciso lutar para que  pretos e pretas tenham os seus direitos respeitados.

Ficha Técnica:

Texto e Direção: Renata Tavares
Elenco:Cridemar  Aquino, Milton Filho e Raphael Rodrigues.
Produção:Camila Lima
Editor de Imagens :Flávio Vidaurre
Assessoria de Comunicação: Isabel Ludgero

Serviço:

Invisíveis  – Exibições Virtuais
Dias: 06 e 07 de março
Hora: 20h
Onde comprar e assistir:  Plataforma Sympla

Ingressos para o dia 06 (clique aqui)

Ingressos para o dia 07(clique aqui)

Classificação Etária: 16 anos
Redes Social/Instagram: @coletivopenaporta 

Sobre o Coletivo Pé na Porta

O coletivo Pé na Porta surgiu em 2016 com o intuito de criar dramaturgias em que o lugar do artista preto pudesse ser acessado em todas as suas potencialidades.
A Cia traz uma percepção diaspórica dos fazeres artísticos pretos em seu lugar de protagonismo e conecta para além de suas plataformas, o acesso às subjetividades que somente podem ser contadas através de vivências do povo preto.
O grupo tem o objetivo de promover o resgate histórico e cultural de danças de matrizes africanas e composição de espetáculos teatrais com temáticas pretas, todas essas, ligadas diretamente na luta contra o racismo e no entendimento da arte como ferramenta política-social no Brasil.
A dramaturgia “Invisíveis” foi criada a partir das experiências vividas pelos atores, pela troca de conversa, pelos questionamentos levantados e debatidos durante a concepção do texto inédito, escrito por Renata Tavares.

pt Português
X
Open chat