Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

O Novo Normal da China: OVO OU BANANA?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Não, não estou falando de uma dieta rica em vitaminas e minerais, embora eu gostaria de poder transformar cada empresa ocidental em um fisiculturista para enfrentar o poder da nova China. Não, “ovo” é a descrição que os chineses dão aos ocidentais que conhecem a China “de dentro para fora”, que quase se tornaram chineses: em outras palavras, “branco por fora, mas amarelo por dentro”. Claro, uma banana é exatamente o oposto: ‘Amarela por fora e branca por dentro’. Em outras palavras, um chinês que tem um conhecimento íntimo do Ocidente ou que se comporta como um ocidental.

E embora possa parecer racismo para um ocidental chamar um chinês de ‘amarelo’ ou de ‘banana’, na verdade meus amigos chineses não têm problema em me chamar de ‘ovo’, se eles querem me dar uma ‘cara amarela’ na presença de seus amigos e conhecidos chineses. Isso é bem-intencionado da parte deles, mas sempre me deu uma sensação confusa, porque ainda me considero um europeu e um belga. Mas nem sempre é o caso com um número crescente de meus próprios amigos ocidentais na China. Muitos deles agora se gabam de que nunca poderiam viver felizes no Ocidente lento, indeciso e complicado. Para eles, tudo na China é sempre melhor. Essa não é minha opinião. Ao mesmo tempo, tenho a sorte de ter muitos outros amigos “ovo” que continuam a me inspirar, porque conhecem a China como a palma da mão (muitas vezes melhor do que os próprios chineses). Na minha experiência, a China não é melhor nem pior do que a Europa ou a América: é apenas diferente… E, muitas vezes, muito diferente. Um normal diferente? Um novo normal? Ao mesmo tempo, às vezes também são notavelmente semelhantes. Inesperadamente semelhante. Afinal, no final das contas, somos todos pessoas, não somos?

A inovação também é produto de pessoas, pelo menos por enquanto. Por esse motivo, dedicarei muito mais atenção neste livro aos motivos e transformações causados pelas empresas e consumidores chineses do que aos impulsionados pelo governo chinês. Sei que, como resultado, uma série de questões importantes não serão discutidas em profundidade, como direitos humanos, controle do Estado, expansionismo ou espionagem. Embora esses tópicos sejam todos relevantes e as perguntas necessárias devam ser feitas, na minha opinião é a urgência da China de inovar que nós, no Ocidente, devemos levar mais a sério, já que isso representa a maior ameaça clara e presente para nossa economia e nosso caminho da vida.

Trecho do livro: O Novo Normal da China
Contato e informações sobre as palestras de Pascal Coppens: +55(84) 999833497

pt Português
X
Open chat