Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

CPI da pandemia terá primeiro encontro na terça-feira (27); Aziz deve presidir comissão

Omar Aziz será o presidente da CPI (Foto:Agencia Senado)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Da Redação

A recém instaurada Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, já começa a render nos bastidores do senado. O futuro presidente, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que “até hoje está muito mal explicado” por que o Brasil não comprou 70 milhões de doses da vacina da Pfizer. Em agosto de 2020, o Governo Federal recusou a compra deste lote, que seria entregue ao país em dezembro do ano passado. Na época, o argumento utilizado foi que não existia concordância com as condições estabelecidas pelo laboratório e que a empresa não era responsável por efeitos colaterais. Foi quando Bolsonaro afirmou que “o cidadão poderia virar um jacaré”, e o Governo não seria responsabilizado.

Omar Aziz afirmou que isso será um dos temas que devem ser debatidos pela CPI que vai investigar “ações e omissões” do governo federal diante da pandemia de coronavírus. O primeiro encontro está marcado para esta terça-feira (27), onde será confirmado Aziz como presidente do colegiado e o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), será indicado como relator.

Como o senado não tem poder para intervir nos estados e municípios, a CPI vai investigar os repasses do Governo Federal. O Supremo Tribunal Federal (STF) vai tentar obrigar os tribunais internos a fazer essa investigação local, já que esse tipo de investigação interna é obrigação dos Tribunais de Contas de cada estado, que deve apurar e punir possíveis desvios na saúde, para o combate à Covid-19.

AS QUESTÕES A SEREM RESPONDIDAS

Ao instaurar a CPI da pandemia, o Governo Federal terá que responder questões como se houve omissão na compra de vacinas; se também foi omisso na questão dos respiradores e do colapso na saúde em Manaus (AM); se colocou a população em risco ao estimular o tratamento precoce, mesmo sem comprovação científica; o presidente Jair Bolsonaro também será julgado por estimular aglomerações e vetar trecho de lei que obrigava uso de máscaras e outros casos que possam ter sido visto como crime contra a saúde pública.

Além disso, a CPI também quer apurar qual foi a influência da interrupção do auxílio emergencial na crise sanitária e confirmar se estados e municípios podem ser responsabilizados pelo Governo Federal por causa da crise.

Em entrevista à BBC News, Omar Aziz confirmou essas questões que serão averiguadas pela comissão.

“É uma CPI que não procura se vingar de ninguém. É uma CPI para fazer justiça e a gente quer ver uma CPI a favor da vida, pelo número de óbitos que o Brasil já teve. Em relação a esquerda, direita, centro… Está morrendo gente da esquerda, direita, centro. Morre padre, morre pastor. Morre umbandista, morre ateu, negro, branco. Não é uma CPI de esquerda ou direita e muito menos permitirei que aquilo se torne um palanque político, porque seria um grande desrespeito ao número de óbitos que tivemos no Brasil. Temos que ter investigação séria.”, alertou.

pt Português
X
Open chat