Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

OG Beer: um projeto de requinte, de sofisticação, de qualidade e dedicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por Vitor Chimento

Acredita-se que tenha sido  a cerveja, uma das primeiras bebidas alcoólicas   criada pelo ser humano. Já era conhecida pelos sumérios, egípcios, mesopotâmios e iberos, remontando, por ao menos, 6.000a.C. Tábuas de argila testemunham a presença de uma bebida fermentada, elaborada a base de grãos que eram colocados em recipientes com água para protegê-los dos ratos e parasitas, onde ocorria uma espécie de fermentação, originando o que chamavam de Sikaru (pão líquido para os sumérios), bebida forte, apreciada e objeto de diferentes crenças ao longo de sua historia. Então aqui surgi a cerveja, que cada povo produzia a seu jeito, conforme ingredientes e tecnologias que a época permitia. Uma feliz historia que continuou por incontáveis povos, ao redor do mundo, chegando até nós, hoje, radicalmente, modificada.

A fabricação se torna, então, uma arte, particularmente, sutil, da qual os monges se tornaram experts e muitos nomes de Abadias, com isto, atravessaram os séculos. Durante toda a Idade Média a cerveja se espalhou por todo o continente europeu, principalmente, pelo Norte, região dos povos anglo-saxônicos. A bebida, religiosamente, fermentada é nomeada pelos monges “Beer” – cerveja e conhece inúmeros seguidores. Carlos Magno por uma questão de qualidade conferiu aos monges o monopólio da fabricação. Dos séculos 9 ao 14 a cerveja era produzida pelos monges e os leigos envolvidos nesta prática eram obrigados a pagarem, aos monges, um imposto chamado o Direito de Gruyt.

Para descobrir um pouco mais sobre a cerveja , que depois da água e do café, é a terceira bebida mais popular do mundo e  de seu processo de fabricação o Jornal DR 1 foi recebido pelos empresários Ulysses Sobral e Simone de Carvalho , mestres cervejeiros, na sede  da OG Beer, em Miguel Pereira-RJ.

Empresários Ulysses Sobral e Simone de Carvalho, mestres cervejeiros, na sede da OG Beer, em Miguel Pereira. (Foto: Divulgação)

Jornal DR1 – Como surgiu a ideia de fazer cerveja artesanal, a parceria ate a criação da empresa?

Surgiu, naturalmente, em função do crescimento do mercado da cerveja artesanal. Em 2006 participei do curso patrocinado pela Cerva Carioca (Associação dos   Cervejeiros  Artesanais do Rio) que tinha como objetivo divulgar a cultura da cerveja artesanal. Um movimento que renasceu nos Estados Unidos , nas décadas de 80 e 90 , chegando ao Brasil a pouco menos de 20 anos. Sendo que a partir de 2006/2007 foi que as cervejas artesanais tiveram um crescimento significativo, já que o consumidor nacional adquiriu  o habito de apreciar e descobrir os diferentes tipos e sabores. Frequentei, ainda outros cursos, e, a partir dai, comecei a produzir, como robe, a cerveja do nosso consumo e a promover cursos  para os amigos , sempre dentro da filosofia da Associação de divulgar a cerveja artesanal.

A parceria com a empresaria Simone de Carvalho, surgiu, a pouco mais de 4 anos, a partir da boa aceitação da cerveja entre os amigos. Com um foco mais comercial dentro da cerveja artesanal,  nos  cadastramos, junto a Prefeitura, como cervejeiros artesanais e passamos, então, frequentar feiras e eventos regionais, mas, sempre, com produção limitada e dentro daquilo que a legislação permitia fazer. Foi, então, que percebemos que a cerveja era bem aceita no mercado  do artesanal, que decidimos por investira na montagem de uma estrutura de micro cervejaria e ampliarmos, com isto, o nossos horizontes no universo da cerveja artesanal. OG Beer é uma realidade, construída  dentro das normas e requisitos exigidos pela lei. Hoje, totalmente, legalizada com registro do  Ministério da Agricultura, Alvara de licença Sanitária, Licença Ambiental e com um equipamento de primeira linha que permite a execução de todo o processo cervejeiro, com altíssima qualidade.

Jornal DR1 –  Qual o processo básico para se obter como resultado  final um produto, por excelência, de qualidade?

A cerveja artesanal é desenvolvida visando qualidade e diferenciação, o que requer mais atenção em sua produção minuciosa. Basicamente é um produto fermentado e  carbonificado, cuja base são 4 ingredientes: água, lúpulo, malte de cevada e fermento. Dentro desses ingredientes se faz as variações de tipos de cerveja, p.ex. Uma cerveja mais escura requer um malte mais torrado e mais escuro; uma cerveja mais seca requer uma água com pH específico que propicie uma secura no paladar ,etc…. Cada etapa ( receita, separação de ingredientes, quantidade e moagem do malte, quantidade de água, tipo de fermento, tempo de fermentação, maturação, planejamento de fabricação que varia de acordo com o estilo de cerveja, etc) deve ser observada, para que sua produção e resultado final corresponda as nossas expectativas de mestre cervejeiro. É um processo mais lento, pois o período de fermentação  e maturação da cerveja devem ser respeitados já que não utilizamos produtos químicos para acelerá-los. Elas são produzidas com maior quantidade de malte, que as diferenciam das industrializadas que usam,  muita  das vezes, outros cereais para tornar o custo da produção mais barato.

Jornal DR1 – Quais sãos os tipos de cervejas produzidos pela empresa?

A OG Beer tem  hoje em linha 5 cervejas a Premiun American Lager – uma cerveja  clara e de amargor baixo, Vienna Lager – um contraponto a Premiun , de cor alaranjada, encorpada, teor alcoólico maior e com um toque caramelo do malte, German Pielsen – com parâmetros de estilo mais leve e uma exigência de mercado, Belgian Dubbel – cerveja bastante encorpada, forte teor alcoólico, coloração cobre e pouco lupulada e a American Ipa – cerveja bastante lupulada, ou seja, bastante amarga para os padrões normais de consumo, considerada a queridinha dos consumidores de cervejas artesanais. Estas são a que produzimos, normalmente, e que colocamos no mercado. Temos, também, as sazonais que para este inverno teremos a Boker, a Poter que são cervejas escuras e mais encorpadas e a Irish Red, já para este próximo mês. Para os nossos clientes e admiradores de heavy metal, estaremos, em breve, lançando a cerveja Sangue de Bode, uma parceria que fechamos com a banda de Heave Metal Sangue de Bode. Podemos adiantar que será uma cerveja fora dos padrões do PJCP, para atender as características do heavy metal. Fiquem ligados, pois será um super lançamento.

Jornal DR1 –  Simone Carvalho, empresaria e mestre cervejeira.

Ainda não cheguei a este nível de mestre cervejeira, me considero uma aprendiz do Ulisses, meu sócio, que detém o domínio da arte de se fazer uma boa cerveja. Mas a medida do possível e quando o tempo permite vou adquirindo novos ensinamentos, com certeza irei chegar ao titulo. Pode não parecer, mas ser mestre cervejeiros requer muito estudo, dedicação e trabalho. Produzir uma boa cerveja não basta só cozinhar o malte e esta pronta ,são muitos detalhes, cuidados para  não perder a produção e para que não haja  contaminação. Estamos sempre estudando, nos aprimorando para que ao servimos nossos amigos e clientes, termos a certeza de estarmos oferecendo um produto , por excelência, de qualidade.

OG Beer é projeto empreendedor idealizado pelos empresários Ulisses Sobral e Simone de Carvalho que decidiram driblar a crise do país e vencer a pandemia com sutilidade e arte. Os amantes desta bebida,  podem, mediante um agendamento prévio no WhatsApp (024) 988414554, conhecer as instalações da OG Beer e encontrar  suas inspirações degustando um de seus estilos de cerveja num ambiente  bastante acolhedor.

pt Português
X
Open chat