Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Prefeitura do Rio libera praias nos dias úteis e flexibiliza outras restrições; veja o que muda

Prefeitura liberou praias na cidade em dias úteis. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou as praias nos dias úteis e flexibilizou outras medidas restritivas. As novas regras constam em decreto do prefeito Eduardo Paes (DEM), publicado na sexta-feira (23) no Diário Oficial, e foram anunciadas durante apresentação do 16° Boletim Epidemiológico sobre a situação da Covid-19 na cidade.

As novas regras entraram em vigor no primeiro minuto deste sábado (24) e vão até o dia 3 de maio.

O Decreto nº 48.767 traz algumas liberações, como a ampliação do horário de funcionamento de algumas atividades. No período do novo decreto, as atividades não-essenciais, como restaurantes, museus, cinema, teatro, clubes esportivos, casas de festas e outros, já poderão funcionar até as 22h. Após este horário, para restaurantes e afins, funcionamento apenas nas modalidades de drive-thu e take away, sem atendimento presencial.

A área de lazer do Aterro do Flamengo estará aberta. Já as atividades essenciais, como supermercados, farmácias, hospitais e outros, podem funcionar sem horários definidos. Os estabelecimentos devem seguir limite de público e demais medidas de proteção à vida para a faixa de risco muito alto, estabelecidas na Resolução Conjunta SES/SMS nº 871, tais como capacidade de lotação máxima de 40% em locais fechados e 60% em locais abertos, garantia do distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas, não permitir formação de aglomerações em filas de espera.

Segue vetada a permanência nas vias, áreas e praças públicas do município no horário das 23h às 5h. Continuam proibidos, aos sábados, domingos e feriados, a permanência em praias, parques e cachoeiras; além das atividades econômicas na areia das praias, incluindo o comércio ambulante fixo e itinerante. Também seguem suspensos o funcionamento de boates, danceterias, salões de dança e casas de espetáculo; a realização de eventos, tais como shows, festas e rodas de samba, em áreas públicas e particulares; a entrada de ônibus e demais veículos de fretamento no município, exceto aqueles que prestem serviços regulares para funcionários de empresas ou para hotéis; a utlização das pistas de rolamento das avenidas Delfim Moreira, Vieira Souto e Atlântica como áreas de lazer.

Situação da Covid-19 na cidade

Prefeitura divulgou o 16º Boletim Epidemiológico. (Foto: Edu Kapps/Prefeitura do Rio)

A prefeitura informou que as médias móveis de atendimentos de síndromes gripal e respiratória aguda grave (SRAG) nas unidades de urgência e emergência e de casos confirmados de Covid-19 mantêm a tendência de queda. E a de óbitos começa a apresentar estabilidade. Mesmo assim, o município segue em alerta, mantendo a faixa de risco muito alto e as medidas de proteção à vida.

Desde março de 2020, como mostra a nova edição do Boletim Epidemiológico, o município do Rio soma 250.160 casos de Covid-19, com 22.923 óbitos.

Na última semana, 25 casos de variantes do vírus foram identificados na cidade, 14 deles de moradores locais. Desde a identificação do primeiro caso de novas cepas, são 256 casos no município, sendo 197 residentes. São 189 casos da variante brasileira (P.1) e oito da britânica (B.1.1.7). Dos moradores infectados por essas cepas, 22 faleceram, 15 permanecem internados e 160 já foram considerados curados. Dos não moradores do Rio infectados pelas variantes, 24 vieram de Manaus, quatro de Rondônia e 31 de outros municípios.

Vacinação

Até a manhã de sexta (23), 1.333.223 pessoas haviam sido vacinadas com pelo menos a primeira dose. (Foto: Divulgação)

Até a manhã de sexta (23), 1.333.223 pessoas haviam sido vacinadas com pelo menos a primeira dose das vacinas contra o coronavírus, o que representa 19,8% da população. Somente idosos eram 1.101.459. As primeiras pessoas que tomaram a D1 da Oxford/AstraZeneca ainda em janeiro começaram a receber a D2 no dia 19 de abril, conforme prazo indicado pelo fabricante, que é de 12 semanas.

No momento, a vacina disponível para D1 na cidade ainda é a Oxford/AstraZeneca. A D2 para quem tomou a CoronaVac, segundo a prefeitura, está garantida na data indicada no comprovante de vacinação. As pessoas devem retornar para a segunda dose preferencialmente nos mesmos postos onde tomaram a primeira dose e obrigatoriamente no mesmo município.

Os idosos que por algum motivo ainda não tenham se vacinado ou pessoas que completem 60 anos poderão comparecer a qualquer unidade de saúde para serem imunizados. É importante que quem tomou a primeira dose volte no dia marcado no comprovante de vacinação para receber a segunda dose, completando a proteção. Após a vacinação, as notificações de surtos de Covid-19 nas instituições de longa permanência, como os asilos de idosos, zeraram até agora no mês abril.

A partir de segunda-feira (26), começam a ser vacinados novos grupos prioritários. As mulheres desses grupos com 59 anos; na terça, 27, os homens desses grupos com 59; na quarta as mulheres de 58 e na quinta os homens da mesma idade. E assim por diante. Apenas para o grupo de profissionais de saúde as faixas etárias serão diferentes, de 44 anos para baixo, uma idade a cada dia, para ambos os sexos.

Locais de vacinação

A Secretaria Municipal de Saúde conta com 236 unidades de Atenção Primária (Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde), além postos extras espalhados pela cidade. A lista está em coronavirus.rio/vacina.

 

pt Português
X
Open chat