Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Biólogos plantam sementes de planta que ficou 73 anos sem ser vista

Foto: Divulgação/Governo do RJ
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Biólogos do Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset), unidade de conservação administrada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), realizou na Enseada do Bananal, em Niterói, a coleta e o plantio de 600 sementes e duas mudas de Guarajuba (Terminalia acuminata), espécie que não havia sido encontrada nos últimos 73 anos.

A Guarajuba é uma árvore de grande porte com troncos largos na base e mais finos na parte superior, e ocorre apenas no Estado do Rio de Janeiro, sendo assim uma espécie endêmica fluminense. A planta apresenta grande valor madeireiro, sendo considerada uma madeira de lei. Conforme os biólogos, um dos motivos para o seu desaparecimento ao longo dos anos pode ter sido a sua utilização desenfreada na fabricação de embarcações e de móveis.

Em 2020, a equipe do Plano de Ação Nacional para Conservação da Flora Endêmica Ameaçada de Extinção do estado, no âmbito do Projeto Pró-Espécies – PAN Flora Endêmica, marcou duas árvores matrizes no Costão de Itacoatiara. As equipes do projeto coordenado pela Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade e técnicos do Parque Estadual da Serra da Tiririca coletaram 154 sementes, que foram direcionadas para o Horto Florestal de Guaratiba, administrado pelo Inea.

“Até 2015, a planta era considerada extinta da natureza, pois sua última aparição foi em 1942. Devido aos esforços de coleta desenvolvidos pela equipe da Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) e CNCFlora, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, foram encontrados 219 indivíduos no estado”, explica a consultora coordenadora do Plano de Ação Nacional para Conservação da Flora Endêmica (PAN) para a WWF-Brasil e Seas, Inara Batista.

Segundo o gestor do Parque Estadual da Serra da Tiririca, Leandro Silva, há mais ações de plantio como programadas para a unidade de conservação. “O plantio desta espécie no parque é de extrema importância para sua preservação e conservação, uma vez que se encontra ameaçada de extinção. Futuramente, quando a árvore atingir a maturidade, trará melhora ao microclima da região e servirá como abrigo de animais silvestres”, diz.

Parque Estadual da Serra da Tiririca

Criado em 1991, o Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset) é a primeira unidade de conservação do Estado do Rio de Janeiro que surgiu a partir da mobilização de movimentos ambientalistas e comunitários. Com cerca de 3.500 hectares, está situado nos municípios de Niterói e Maricá com trilhas e atrativos diversos. O Peset recebe visitantes durante todo o ano, sendo uma importante área conservada em perímetro urbano.

pt Português
X
Open chat