Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Fallen: o professor

Gabriel “Fallen” Toledo. (Foto: Team Liquid)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Então, arrume a cadeira, pegue a caneta, abra o caderno e liga o Counter Strike que vai começar o EAD. Nascido em São Paulo, Gabriel “Fallen” Toledo, nosso querido professor: presente!
Tudo começou lá trás, no CS 1.6. Foi um dos jogos mais aclamados e polêmicos já feitos, e, nessa linha do tempo, lá estava ele.

De onde veio o nome Fallen? Seu irmão, Marcelo Toleto, deu a ideia de dar o nome do nick do jogador de “Fallen Angel”, de uma carta do jogo “Magic” e, provavelmente, por ter ficado grande o nick dele, preferiu tirar Angel e deixar somente Fallen.

O jogador iniciou em seu primeiro time competitivo na Soldiers Of Fire, onde deu os primeiros suspiros para entrar no cenário. Com 14 anos, e mandando super bem, entrou para Crashers, indo a seu primeiro campeonato presencial. Logo depois, foi para vsONE, conseguindo chegar em primeiro lugar em alguns torneios.

Seu reconhecimento como o grande sniper foi na FireGamers, onde foi reconhecido por muitos profissionais brasileiros. A equipe o convidou para ser o AWPer da organização e, naquele ano, o menino simplesmente brilhava de uma forma que ninguém conseguia acompanhar. E, claro, ergueu um título da WCG Brasil 2009, os levando para o mundial na China.

Logo depois, o cenário do jogo foi sumindo aos poucos, fazendo com que profissionais mudassem de jogo ou até mesmo abandonando times. Com uma ideia de ensinar CS e trazer o cenário de volta no Brasil, Fallen cria a Games Academy, em 2010, junto com outros jogadores por mais ou menos quatro anos.

Em 2014, entrou no time da Kabum E-Sports, no cenário de Counter Strike: Global Offensive. O time se classificou para um campeonato internacional, mas não tinha grana para viajar. Então, a comunidade se juntou e arrecadou dinheiro suficiente para eles viajarem, mas, como nem tudo são flores, o time foi eliminado na primeira fase.
Posteriormente, a Kabum se juntou a Pro Gaming e, depois, a equipe inteira foi comprada por outra organização e começou a se chamar Keyd Stars, se destacando novamente nos torneios mundiais.

Fallen já era visto como menino prodígio e uma representação brasileira enorme no cenário do CS:GO. Em 2015, o time Luminosity Gaming assinou com Fallen, levando-o para morar fora do Brasil. Na Luminosity, conseguiu conquistar um MAX5 Invitational 2016, um Major: Colombus 2016 e um DreamHack Austin 2016, sendo assim considerado o segundo melhor jogador do mundo, ficando atrás apenas de seu parceiro de time “Coldzera”.

No mesmo ano, com um acordo entre Luminosity e SK Gaming, Fallen e os companheiros foram transferidos para o time da SK. E a história não parou por aí: o jogador conseguiu conquistar 11 títulos internacionais.

Em 2018, Fallen foi para o MIBR, time que iria ser a promessa dos brasileiros, e conseguiu conquistar apenas um campeonato.

Em 2020, insatisfeito com posturas da organização e demissões, Fallen anunciou sua demissão do time, mas, como estava em contrato, não poderia assinar com outra organização. A partir disso, Fallen não jogaria mais pela MIBR.

E, finalmente em 2021, o professor nos anuncia sua nova organização, tão sonhada por muitos e uma das maiores do mundo. Sendo o único brasileiro no time, Fallen entra para a TEAM LIQUID!
O cenário voltou a suspirar de novo e Fallen não provou diferente. Está fazendo um ótimo desempenho no time e sendo um ótimo AWPer e IGL para equipe. Gabriel “Fallen” Toledo, o professor: Presente!

pt Português
X
Open chat