Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Fazer falta pra quem? O adeus da Cabify ao Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O aplicativo de transporte Cabify anunciou na última sexta-feira (23/04) que irá deixar o Brasil. A empresa espanhola anunciou o fim de suas operações por aqui a partir do dia 14 de junho deste ano. O app até o momento funciona nas cidades de Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Santos e São Paulo.

Segundo o comunicado da empresa enviado aos clientes, a empresa destacou que a pandemia da Covid-19 no Brasil tem dificultado os serviços de carona compartilhada. Informou que o mercado brasileiro ainda é afetado pela “grave situação sanitária do país e pela crise sócio-econômica local causada pela Covid”, o que dificulta a “criação de valor”.

Alguns usuários receberam um e-mail com um aviso, dizendo que ainda será possível fazer corridas até a data de encerramento.

A companhia diz que continuará “disponível em outras cidades da América Latina e na Espanha”, onde a empresa foi fundada.

“Todas as cidades da América Latina e da Espanha onde Cabify está presente mostram bons índices de recuperação em comparação com o nível de atividade anterior à pandemia e, em média, a demanda global de viagens da Cabify se recuperou em 75% até o final de 2020”, disse a empresa.

O aplicativo chegou ao Brasil em junho de 2016. Em 2017, o grupo Maxi Mobility, dona do Cabify, comprou a plataforma brasileira Easy Taxi, que dois anos depois foi incorporada ao app espanhol.

Cabify não é a única empresa que tem deixado o nosso país neste ano, temos nessa conta a Ford, a Mercedes-Benz, a Sony e outras empresas que também abortaram o plano de começar seus trabalhos aqui, como por exemplo, a companhia aérea Virgin Atlantic. A pandemia impactou grandes empresas, fazendo com que nomes renomados saíssem do nosso solo e também, talvez ainda mais, impactou microempresas que estavam começando e se viram em uma areia movediça, sendo impedidas de continuarem com seus sonhos. Fica a nossa esperança para que o futuro do mercado melhore, não só em nosso país, mas em todo mundo.

Aisha Raquel Ali
Webdesigner, assessoria em social media e marketing
aisha.raquel@jornaldr1.com.br

pt Português
X
Open chat