Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Nem só de comemoração vivem os EUA após atingir maioria da população vacinada

Foto: Pixabay
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Após a maioria da população americana estar vacinada e estados comemorarem a volta ao novo normal, os EUA agora enfrentam a ameaça de um outro problema: o aumento da inflação.

Conforme a pandemia vai diminuindo nos EUA, a procura por bens e serviços também vai se recuperando e, para surpresa de muitos, mais rapidamente do que a oferta desses mesmos bens e serviços. E a regra é simples no mercado: quando a demanda supera a oferta, os preços aumentam.

Mais americanos estão comprando em lojas, comendo em restaurantes e planejando férias. Eles estão gastando parte das economias que acumularam durante a pandemia, incluindo dinheiro recebido de cheques de estímulo do governo.

Entretanto, a oferta não está de volta na mesma proporção ou necessidade. A pandemia pausou as cadeias de abastecimento de muitos itens, incluindo chips de computador, tinta, madeira serrada e inúmeros utensílios como roupas e sapatos. Também interrompeu os hábitos de trabalho, e nem todos podem – ou querem – retornar imediatamente aos seus antigos empregos.

Existem algumas razões para acreditar que a diferença entre a demanda e a oferta possa levar mais tempo do que o inicialmente previsto por especialistas.

Se por um lado, o da procura, os americanos têm dinheiro para gastar, em parte devido a aos estímulos que o governo injetou na economia. Por outro lado, o americano conta com uma história plausível sobre porque a inflação não vai durar. Este é o cenário que a maioria dos funcionários do novo presidente americano Biden considera mais provável.

Um dos motivos apontados para essa descrença dos funcionários do Governo Biden em relação aos alertas pessimistas sobre a inflação é que os economistas superestimaram os riscos de inflação no século 21. Aparentemente as várias características da moderna economia americana parecem conter a inflação. Sendo a competição global uma delas, e também o fim dos estímulos federais que também servirá para reduzir o poder de compra de parte da população e consequentemente a procura por bens e serviços.

Espera-se que esse otimismo do Governo Biden possa ser visto na prática, pois hoje o que vemos são preços de inúmeros produtos e serviços subindo exponencialmente e já sentimos afetar no bolso. Apenas para citar um exemplo prático, preços das corridas de Uber subiram absurdamente.

Todavia, vamos acreditar que esse otimismo do Governo se realize e a economia americana volte fortalecida e equilibrada após essa terrível pandemia.

pt Português
X
Open chat