Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

ODS 7: Energia acessível e limpa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Assegurar o acesso confiável, sustentável e a preço acessível à energia para todos. Esse é o 7º dos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, aprovados em setembro de 2015 e que integram a Agenda 2030.

Os líderes mundiais que seguem a agenda prometeram acabar com a pobreza, reduzir a desigualdade e combater as mudanças climática até lá. Dito isso, o ODS 7 visa mobilizar os países para atingir três principais objetivos: garantir acesso universal a serviços energéticos modernos; duplicar a taxa de melhoria da eficiência energética; e dobrar a participação de energias renováveis na matriz energética global.

Garantir o acesso à energia e a um preço justo significa investir em fontes de energia limpa, como solar, eólica e térmica. Adotar padrões de custos sustentáveis para uma vasta gama de tecnologia também pode reduzir o consumo global de energia em 14%. Entre 1990 e 2010, o número de pessoas com acesso à eletricidade aumentou em 1,7 bilhões. Ainda assim, uma em cada cinco pessoas não tem acesso à eletricidade.

Os esforços para incentivar a energia limpa resultaram na geração de mais de 20% da energia global por fontes renováveis desde 2011, mas como a demanda por energia barata aumenta com o crescimento populacional, é necessário aumentar a produção de energia renovável no mundo.

A expansão da infraestrutura e a atualização da tecnologia para o fornecimento de energia limpa em todos os países em desenvolvimento é um objetivo crucial que pode estimular o crescimento e ajudar o meio ambiente.

Cerca de 840 milhões de pessoas em todo o mundo (mais de 10% da população mundial) vivem sem eletricidade e um bilhão se conecta a redes elétricas pouco confiáveis e instáveis. Atualmente quase 3 bilhões de pessoas na Ásia e no sul do Saara ainda cozinham com combustíveis poluentes (lenha, carvão vegetal, esterco ou carvão mineral), o que representa 40 % da população mundial.

A falta de acesso a uma energia segura e sustentável provoca graves problemas para os seres humanos e o meio ambiente. A ONU indica que ocorrem quatro milhões de mortes prematuras como consequência da poluição do ar devido à queima de biomassa para cozinhar e gerar calor. Da mesma forma, a energia representa 60% de todas as emissões mundiais de gases de efeito estufa, principal fator responsável pelas mudanças climáticas.

Enfrentar essa situação se converteu em um objetivo primordial e por isso os líderes mundiais se comprometeram:

– Até 2030, expandir a infraestrutura e modernizar a tecnologia para o fornecimento de serviços de energia modernos e sustentáveis para todos nos países em desenvolvimento, particularmente nos países de menor desenvolvimento relativo, nos pequenos Estados insulares em desenvolvimento e nos países em desenvolvimento sem litoral, de acordo com seus respectivos programas de apoio;

– Até 2030, reforçar a cooperação internacional para facilitar o acesso a pesquisa e tecnologias de energia limpa, incluindo energias renováveis, eficiência energética e tecnologias de combustíveis fósseis avançadas e mais limpas, e promover o investimento em infraestrutura de energia e em tecnologias de energia limpa;

– Até 2030, dobrar a taxa global de melhoria da eficiência energética; aumentar a participação de energias renováveis na matriz energética global; assegurar o acesso universal e a preços acessíveis a serviços de energia.

Podemos e devemos fazer a nossa parte. É possível!

Ana Cristina Campelo
Advogada e jornalista 
anacristina.campelo@jornaldr1.com.br

pt Português
X
Open chat