Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Tecnologia: Revolta das máquinas?

Foto: Divulgação/STM
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

A Organização das Nações Unidas (ONU) publicou um relatório detalhando o primeiro ataque a um humano efetuado por um robô autônomo. O caso evolvendo um drone de ataque, fabricado pela empresa turca STM, ocorreu em março de 2020, durante um confronto da Segunda Guerra Civil da Líbia.

Mesmo sem a confirmação de vítimas, o evento também pode ser o primeiro registro de uma morte causada por um robô autônomo, conforme sugere o relatório da ONU. Pertencente ao Conselho de Segurança da entidade, o Painel de Peritos na Líbia afirmou no relatório: “os sistemas de armas autônomas letais foram programados para atacar alvos sem exigir conectividade de dados entre o operador e a munição — uma verdadeira capacidade de ‘atirar, esquecer e encontrar'”.

O Kargu-2 foi desenvolvido para utilizar aprendizado de máquina e processamento de imagens em tempo real para selecionar e atacar alvos, especialmente quando em combate assimétrico ou em operações antiterrorismo. Além de poder ser operado manualmente, o drone também pode funcionar de maneira autônoma e ser conectado a um “enxame”, tornando-se ainda mais letal.

Os dados do relatório apontaram que o modelo de drone foi “altamente efetivo” quando utilizado em conjunto de ataques mais convencionais com outros tipos de Veículos Aéreos Não Tripulados, os VANTs.

Zachary Kallenborn, pesquisador do Consórcio Nacional para o Estudo do Terrorismo e Respostas ao Terrorismo (EUA), afirma que o evento pode ser um marco “assustador” nos modelos de conflito armado ao redor do mundo, associando robôs autônomos à execução de seres humanos utilizando inteligência artificial.

Contudo, membros da ONU sugerem que este nicho de armamentos ainda não apresenta grandes preocupações por causa das limitações atuais da tecnologia e, dispensando regulamentações mais severas.

O caso é tão irreal que nos faz pensar se não estamos em um filme de ficção científica. O quão longe a tecnologia no geral e, mais a fundo, a inteligência artificial está indo? Esperemos por mais.

Aisha Raquel Ali
Webdesigner, assessoria em social media e marketing
aisha.raquel@jornaldr1.com.br

pt Português
X
Open chat