Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

O futuro chegou: Capacete capaz de “ler” mentes

Foto: Kernel
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Um capacete que pode ler sua mente está a caminho! Por mais que seja em um grau pequeno, estamos caminhando para o futuro que tanto vemos em filmes de ação. A startup Kernel, com sede na Califórnia, logo começará a entregar para dezenas de clientes nos Estados Unidos um capacete de US$ 50 mil (R$ 252 mil pela conversão) que pode analisar neurônios sendo disparados no cérebro de uma pessoa.

A tecnologia básica existe há anos, mas geralmente é encontrada em máquinas do tamanho de uma sala e sua tecnologia pode custar milhões de dólares, fora a exigência que os pacientes estivessem em um ambiente clínico. A Kernel pretende democratizar a tecnologia diminuindo e comercializando o produto, já que um dispositivo menor pode abrir novas portas para os pesquisadores, pois os participantes do estudo podem se mover livremente.

Um dos capacetes, o futurístico “Flow”, pode registrar dados em tempo real e “estabelecer padrões precisos de atividade cerebral” usando lasers, de acordo com o site da empresa. Tudo o que o usuário precisa fazer é conectá-lo a um computador por meio de um cabo USB-C, explicou a marca.

O outro capacete, chamado “Flux”, pode medir “a velocidade dos neurônios em tempo real” e fornecer acesso “à intrincada atividade cerebral subjacente a funções como excitação, emoção, atenção, memória e aprendizagem”, afirmou a empresa.

Com tal avanço, os pesquisadores poderiam usar dados coletados por capacetes para estudar o envelhecimento do cérebro, distúrbios mentais, derrames e até mesmo o que acontece dentro do cérebro durante uma viagem psicodélica. “Para progredir em todas as frentes de que precisamos como sociedade, temos que colocar o cérebro online”, pontuou o CEO da Kernel, Bryan Johnson.

As primeiras pessoas a receberem os capacetes incluem instituições de pesquisa do cérebro e outras empresas que querem entender melhor o que se passa na mente de seus clientes.

Aisha Raquel Ali
Webdesigner, assessoria em social media e marketing
aisha.raquel@jornaldr1.com.br

pt Português
X
Open chat