Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

ODS 9: Indústria, inovação e infraestrutura

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável, e fomentar a inovação. Entre as metas do ODS 9, estão o aprimoramento do sistema viário no Brasil, com foco na sustentabilidade e na segurança no trânsito; a promoção da atividade econômica inclusiva e sustentável e a atividade de alta complexidade tecnológica; o aumento do acesso das micro e pequenas empresas aos serviços financeiros; a modernização da infraestrutura, até 2030, a reabilitação das atividades econômicas para torná-las sustentáveis, e o fortalecimento da pesquisa científica.

Pesquisadores concluíram que, apesar de haver no Brasil programas e políticas que respaldam a implementação do 9º Objetivo, há desafios a serem superados. O principal deles é garantir condições de investimentos em infraestrutura, além de disponibilizar recursos para ciência, tecnologia e inovação. Outro problema apontado é a falta de articulação entre políticas públicas e programas que facilitariam o crédito às micro e pequenas empresas, além da ausência de ações ambientais e de sustentabilidade nas políticas, planos e programas já existentes.

Desenvolver infraestrutura de qualidade, confiável, sustentável e resiliente, incluindo infraestrutura regional e transfronteiriça, para apoiar o desenvolvimento econômico e o bem-estar humano, com foco no acesso equitativo e a preços acessíveis para todos; Promover a industrialização inclusiva e sustentável e, até 2030, aumentar significativamente a participação da indústria no emprego e no produto interno bruto, de acordo com as circunstâncias nacionais, e dobrar sua participação nos países de menor desenvolvimento relativo.

Aumentar o acesso das pequenas indústrias e outras empresas, particularmente em países em desenvolvimento, aos serviços financeiros, incluindo crédito acessível e propiciar sua integração em cadeias de valor e mercados; Proporção do valor adicionado das empresas de “pequena escala” no total do valor adicionado da indústria;

Até 2030, modernizar a infraestrutura e reabilitar as indústrias para torná-las sustentáveis, com eficiência aumentada no uso de recursos e maior adoção de tecnologias e processos industriais limpos e ambientalmente adequados, com todos os países atuando de acordo com suas respectivas capacidades;

Fortalecer a pesquisa científica, melhorar as capacidades tecnológicas de setores industriais, particularmente nos países em desenvolvimento, inclusive, até 2030, incentivando a inovação e aumentando substancialmente o número de trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento por milhão de pessoas e os gastos público e privado em pesquisa e desenvolvimento;

Facilitar o desenvolvimento de infraestrutura sustentável e resiliente em países em desenvolvimento, por meio de maior apoio financeiro, tecnológico e técnico aos países africanos, aos países de menor desenvolvimento relativo, aos países em desenvolvimento sem litoral e aos pequenos Estados insulares em desenvolvimento;

Apoiar o desenvolvimento tecnológico, a pesquisa e a inovação nacionais nos países em desenvolvimento, inclusive garantindo um ambiente político propício para, entre outras coisas, a diversificação industrial e agregação de valor às commodities;

Aumentar significativamente o acesso às tecnologias de informação e comunicação e empenhar-se para procurar ao máximo oferecer acesso universal e a preços acessíveis à internet nos países menos desenvolvidos, até 2020.

Podemos e devemos fazer a nossa parte. É possível!

Ana Cristina Campelo
Advogada e jornalista 
anacristina.campelo@jornaldr1.com.br

pt Português
X
Open chat