Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Twitch contra um sindicato

Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Em algumas edições anteriores, mencionei um caso que ocorreu sobre a Twitch, que está abrindo uma categoria que não é bem apropriada para o publico geral dos jogos e esportes eletrônicos.

A Twitch é um serviço de streaming de vídeo ao vivo mais popular focado em jogos eletrônicos. Tudo começou em 2007,quando a plataforma ainda nem se chamava Twitch.tv, criada por Justin Kan e Emmett Shear. Fizeram a Justin.tv, tendo várias categorias divididas, o site acabou se tornando popular pelo destaque em sua categoria de jogos e não demorou muito para que esse gênero pudesse se desvincular da Justin e se tornar Twitch.tv.

Fim de julho, a Twitch anuncia a redução de preços no Brasil e em alguns outros países. Uma porcentagem bem acima da metade que poderíamos imaginar, foram 65% de redução, que antes custava R$23,99 passou a custar R$7,90.

Em nota, a empresa contou uma justificativa sobre os valores mais baixos, sendo possível que mais criadores lucrem com as inscrições e aumente o numero de subscribers. “Os preços de inscrição mais baixos estão ajudando criadores e espectadores a formar comunidades bombásticas”. A twitch também além de mencionar a redução, também disse que o valor que irá chegar nos streamers, não iria afetar nos primeiros meses após a mudança dos valores. Uma iniciativa para que os criadores de conteúdo não possam sair em algum prejuízo e possa se adaptar a nova formalidade.

Tiro no pé ou pro céu?

Como tudo na vida não é um jardim de lindas flores, as coisas não saíram muito bem como planejado, na prática. O preço diminuiu, ok! Olhando para esse lado, ficou muito mais acessível e a oportunidade de poder ajudar mais streamers ao mesmo tempo se tornou muito válida. Só que existe um repasse, imposto pelo qual esses R$7,90 passa. Por não ser uma plataforma brasileira, sua receita é totalmente em dólar, então além da conversão e os impostos retirados pelo mesmo, tem a porcentagem que vai para a plataforma. Quer dizer, tem uma média de 30% do valor apenas que vai para o streamer.

De R$7,90, convertendo para o atual valor em dólar, fica em média de $1,50, com todo o repasse de 30%. Sobra então para o streamer de 0,45 a 0,50 centavos em dólar.

Quem está por fora pode até achar que a pessoa está ganhando legal, por está recebendo e fazendo live jogando. Mas não é assim que banda toca. Hoje, a Twitch se tornou fonte de renda e trabalho para muitas pessoas. Não levando para conteúdo somente de um hobbie. Então, existem pessoas se dedicando todos os dias para conseguir conquistar essas pessoas que possam ajudar com o seu futuro na plataforma, e para quem está começando ou ainda não conseguiu atrair esse público ficou ainda mais difícil de poder receber mais da Twitch. Ainda na questão de nem tudo ser flores, a Twitch tem um limite para liberação da sua receita que são de $100 dólares. Então, dentro do mês, para o criador de conteúdo receber o seu salário da plataforma, teria que bater a meta de cem dólares. Então a maior solução da plataforma, talvez, não foi maior solução para boa parte dos streamers.

Grandes streamers da Twitch tiveram a ideia de fazer uma união e travar uma batalha contra a empresa, mas a ideia não é voltar ao preço normal que era antes e sim poder reavaliar os valores do repasse, que, no caso, faz toda a diferença no valor final para o streamer.

Jonathan Oliveira
Designer gráfico, fotógrafo e diagramador do Jornal DR1
jonathanoliveira@jornaldr1.com.br

pt Português
X
Open chat