Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

17° edição do “Alafiá Mundo”, evento internacional de arte e cultura afro-brasileira

Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O encontro será conduzido pela Dra. Helena Theodoro com tradução simultânea em português e inglês, dia 13 de outubro, às 19h30, na plataforma Zoom.

O gestor e produtor cultural Marcos Moura vai falar sobre a contribuição dos artistas amazonenses e a influência do festival de Parintins no carnaval de São Paulo e Rio de Janeiro. Marcos também vai explicar sobre os projetos culturais da região e as atividades desenvolvidas no Instituto Cultural Ajuri (INCA), onde atua como presidente.

Para Helena Theodoro, uma das idealizadoras do projeto, Doutora em filosofia (UFG), Mestre em Educação (UFRJ), Pós-Graduação em Tecnologia Educacional – Fundação Konrad Adenauer (Alemanha); Especialista em Cultura Negra e Carnaval a participação do produtor cultural no evento enriquece e contribui para a preservação da cultura afrodescendente.

Segundo Marcos o encontro será “Alafiá”, mesmo significado do evento, ou seja, já deu certo: ” vamos reunir ancestralidade e positividade num ambiente virtual cheio de energia vital e axé! Conto as horas para ouvir o saber da Dra. Helena Theodoro nossa “griô” que tanto nos alegra.” Marcos também vai abordar a importância de projetos em defesa da Amazônia, dos povos da floresta e a iniciativa inédita da escola amazônica que visa a promoção da cultura africana, afro-brasileira e indígena nas escolas. Além dos desafios do novo normal e da luta antirracista.

Juntos, Marcos Moura, Helena Theodoro e os participantes do projeto convidam a todos para “Alafiá Mundo” e celebrar a cultura afro-amazônica.

O encontro virtual acontece mensalmente e conta com a presença de personalidades do samba e da cultura afro-brasileira. Para saber mais sobre as atrações do evento siga o Alafiá no instagram. Lá, também está disponível as informações dos convidados que participaram das edições anteriores como: Rubem Confete, Carlinhos de Jesus, Martinho da Vila, Selminha Sorriso, Milton Cunha, Bira Presidente do GR Cacique de Ramos, Dudu Nobre, Lucinha Nobre e outras personalidades do samba.

Serviço:
Alafiá Mundo
Quando: 13 de outubro
Hora: 19h30
Adquira seu ingresso no site  e no Instagram 

Alafiá Mundo:
Foto : Divulgação

Surgiu em 2020 no encontro de Jana Guinond (RJ/Brasil), Zakiya Carr Johnson (Atlanta-EUA), e a conteudista Dra. Helena Theodoro ( RJ / Brasil) que acreditam na importância do diálogo entre gerações e transnacionais, com a fé num mundo fraterno, pleno de alianças que ajudam na superação de momentos difíceis como os que estamos vivendo.

A iniciativa promove o resgate das memórias e a valorização do Patrimônio Cultural do Brasil: O Alafiá Mundo no ano de 2020 reuniu através de um encontro online, representatividades como: Martinho da Vila, Selminha Sorriso (Porta-bandeira da GRES Beija Flor), Tia Glorinha do Salgueiro (Presidente da ala das baianas do GRES Salgueiro), Mãe Meninazinha de Oxum, Bira Presidente do GR Cacique de Ramos e Vovô do Ilê Aiyê, Salvador – Bahia.

No ano de 2021, o Alafiá Mundo é composto por Dra Helena Theodoro, Jana Guinond, Kiratiana Freelon e Tainá Almeida que reúne diversas pessoas que compartilham conosco a sua trajetória e conhecimento. E contamos com as presenças de: Dra. Sheila Walker (EUA), Juan Angola Maconde (Bolívia), Lucia Molina (Argentina), Mara Salgado (Chile), Raul Platicon (Colômbia), Fernanda Felisberto, Rubem Confete, Carlinhos de Jesus, Danielle Almeida, Milton Cunha, Dudu Nobre, Lucinha Nobre, Marcos Moura do Amazonas, João Jorge do Olodum, Salvador – Bahia e Awurê (Brasil).

HelenaTheodoro

Bacharel em Direito e Pedagoga, Mestre em Educação, Doutora em Filosofia, Pós-Doutora em História Comparada. Pesquisadora da história e da cultura afro-brasileira, escolas de samba, religiões e espiritualidade de matriz africana, educação, processos culturais, sexualidade. Foi jurada do Estandarte de Ouro (Jornal O Globo) por vinte e sete anos. Foi Professora Auxiliar da Universidade Estácio de Sá, Coordenadora da Pós-Graduação de Figurino e Carnaval da Universidade Veiga de Almeida, Coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (NEAB) da FAETEC/RJ e Professora no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFRJ/UFRJ). Tem vários artigos e livros publicados – “Mito e Espiritualidade: Mulheres Negras”, “Os Ibéjis e o Carnaval”, “Caderno de Cultura Afro-Brasileira”, “Iansã, Rainha dos Ventos e Tempestades” e, o mais recente, “Martinho da Vila: Reflexos no Espelho”, em 2019. Atualmente é Presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Elas e Coordenadora do grupo de pesquisa de carnaval LUPA do IFCS/UFRJ.

Foto: Divulgação

Para conhecer um pouco mais da obra de Helena na internet, sugerimos seus blog, site e Instagram. Como também seu artigo “Mulheres Negras Sempre Guerreiras” para a Revista da ABPN em que trata das estratégias de resistências desde o combate à escravidão, passando pela violência cotidiana e a força da religiosidade. O texto completo está no link

pt Português
X
Open chat