Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

A Lei do Retorno

Foto Pixabay
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O futuro é uma construção constante e instável: Constante, uma vez que o futuro é eterno; enquanto instável não podemos precisar esse futuro. Nossa função é viver. A “coisa” é tão tensa que sugiro buscarmos estar em plenitude de espirito e paz. As engrenagens parecem apontar para uma desengrenarem avassaladora! Minha oração e súplica é para que a compreensão forneça a força e a energia para cada dia, a fim de que vivamos com sabedoria e muito mais compaixão.

Será que já não basta mais “passar pernas” nos outros? Será que não já foi mais que de mais confundir uma alma boa como essa sendo uma pessoa otária? Parece que, quando vimos alguém entregando/devolvendo algo que foi esquecido por outrem em um lugar, dizemos: isso está cada vez mais raro! Como se este ato não fosse o absolutamente normal!

Minha prece continua solicitando que a honestidade e a bondade não sejam motivos de admiração, pois devíamos tê-las como “algo comum” em nosso viver. Isto faz parte de nós! Não está fora! Nunca esteve fora! Entristece perceber os valores invertidos. As análises do próximo sem a empatia. A força ingrata da cobiça ou os feitos dos olhares atravessados da inveja, ganancia e mentiras. Que triste destino dos que erram o alvo; que acham que esperto é o mesmo que inteligente!…

Desejo que a vida de cada um seja leve, livre e solta, feito passarinhos que dançam na turbulência dos ventos de cada estação, mesmo estando apoiados num fio ou galho de árvore. Que as penas mudem para fortalecer; ajudar quem está aprendendo a voar. Que tenham mais compaixão, que critiquem menos e elogiem mais. O respeito é “saber o limite do próximo, estendendo a mão quando preciso”.

O mundo é um grande castelo de cartas: imponente mas, extremamente frágil; ou igual a dominós enfileirados: a queda de um é a queda de todos. Somos Um!

Que o individualismo se enfraqueça e dê espaço para a empatia, o coletivo, amor ao próximo. E que parem de continuar crucificando Cristo todos os dias. Viver, é uma vez só (?). Então, vá amar o que o universo nos permitiu; sentir cada sensibilidade da alma, mente, corpo e tudo ao redor. Sinta o frio, o calor e o vento. Sinta sem moderação. Pois é sentindo que nos fazemos melhores humanos.

pt Português
X
Open chat