Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Biblioteca homenageando a cantora Sandra de Sá é inaugurada na Vila Olímpica Clara Nunes

Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Foi inaugurada na Vila Olímpica Clara Nunes, em Acari, a Biblioteca Sandra de Sá. A iniciativa é uma parceria do equipamento da Secretaria Municipal de Esportes (SMEL) com o Favelivro, movimento que busca difundir arte, literatura e educação em favelas e periferias do Rio de Janeiro.

O evento de inauguração, na última semana, contou com a presença da artista, que cantou alguns sucessos e agradeceu a iniciativa.

“Queria agradecer ao secretário Guilherme Schleder pelo apoio. Na verdade, eu e a Favelivro agradecemos. Quando fazemos as coisas com naturalidade e verdade tudo conspira a favor. É bacana representar o conhecimento, e o legal é que estudei aqui do lado da vila. É uma honra ser homenageada assim. Vamos parar de correr atrás e chegar junto. Assim nos fortalecemos para acontecer coisas como essa aqui”, disse Sandra de Sá.

O Favelivro existe desde 2012 e já inaugurou seis bibliotecas. A última foi em Rocha Miranda e levou o nome da cantora Fernanda Abreu. A ideia de personalizar os espaços tem o objetivo de manter viva a memória de quem valoriza o conhecimento. Já foram referenciados os escritores José Mauro de Vasconcelos e Luciana Savaget, o historiador Sérgio Buarque de Holanda, o jornalista Luiz Erlanger e o humorista Hélio de la Peña.

– Queremos reforçar a memória do brasileiro. O diplomata Sérgio Vieira de Melo, por exemplo, é pouco conhecido. Foi um homem que buscou a paz e morreu vítima de um atentado em Bagdá. A Sandra de Sá dispensa comentários. Poder fazer esse trabalho numa vila é maravilhoso, pois une esporte e cultura – elogia a professora Verônica Marcílio, uma das idealizadoras do movimento ao lado do livreiro Demézio Batista.

Todo projeto é mantido por doações, cujo foco principal é facilitar o acesso e democratizar os livros. Cada biblioteca tem um volume inicial de mil exemplares, entre romances, poesias e literatura infantil. O sucesso tem sido tanto que o Favelivro já tem convite para abrir um espaço até em Minas Gerais. Antes, porém, vão inaugurar a Biblioteca Paulo Betti, no dia 16 deste mês, na Barreira do Vasco.

pt Português
X
Open chat