Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Do básico ao genial (Parte 1)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Segundo o papa do marketing, Philip Kotler; “marketing” é um processo tanto administrativo quanto social, pelo qual as pessoas obtêm o que desejam e necessitam através da geração de desejo, oferta e troca de produtos de valor”.

No parágrafo supracitado, as palavras desejam e necessitam ganham proeminência! No entanto, muitos são os tipos de marketing criados a cada dia que passa, na tentativa de atender a um novo nicho e/ou uma nova persona. Inclusive, um dos mais recentes criado, qual seja: O marketing de conexão, se assemelha muito com a técnica de Rapport, que nada mais é do que uma tática para se criar conexão, relação com uma outra pessoa. Todavia, muitas vezes é só muito mais do mesmo, com algumas alterações. Para o cliente trata-se apenas de conseguir ter uma experiência de compra, através de processos dignos, transparentes, que respeitem o tempo e não ofereçam estresse a ele. Sim! Esses básicos pré-requisitos também são estratégias de marketing; ou você pensava que marketing fosse apenas divulgação e propaganda no sentido mais literal da palavra? O cerco está se fechando e com ele, as falhas de conduta, valores e de processos de marketing e vendas estão ficando cada vez mais explicitas. Mas o que importa para o cliente é muito simples; então, que tal focar apenas nas necessidades e desejos deles? Meu caro empreendedor, você já deve ter percebido que o cliente não “engole” tudo tão facilmente.

Entretanto e apesar de muitos não cumprirem com a máxima, satisfazer os desejos e as necessidades do cliente, de fato e há tempo já se tornou uma obrigação e não um diferencial. Marketing é uma questão de encantar, segundo Kotler e o diferencial está aí! A exemplo disso, nos últimos tempos algumas empresas mais antenadas estão apostando na tática: Zonas de descompressão, quando são implementadas experiências associadas aos sentidos humanos. Essa estratégia é fundamental para que o cliente saia do ritual de sempre e tenha uma experiência única e marcante. No varejo, por exemplo, pode-se criar espaços confortáveis e com mobiliário diferenciado para que os clientes possam sentar, relaxar e até mesmo receber uma massagem rápida e de forma gratuita. Quem investe nesse recurso de forma planejada se diferencia dos demais concorrentes.

Entretanto, isso por si só não basta. O ponto crucial para aumentar as suas vendas e elevar de fato o seu negócio a outros patamares está onde você menos espera. Quer saber quais? Na próxima coluna eu te conto!

Luciana Marques
Consultora de Marketing e escritora
Instagram: lucianamc10_

pt Português
X
Open chat