Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Do básico ao genial

Foto: Pixabay
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

Por Luciana Marques

 

A coluna anterior versou acerca das necessidades e desejos dos clientes como premissas essenciais para todo negócio que se prese; bem como esclareceu que há tempo e de fato, o cliente requer muito além disso.

          E sim, ele requer mais que isso. No entanto, muitos ignoram a efetividade do básico, o que vem fazendo com que ele se torne um diferencial. É no básico que estão contidas as bases vitais de cada negócio. É nele também que estão os pontos cruciais, aqueles que mais do que nunca, estão fazendo a diferença, bem antes de se pensar aplicar uma técnica mais arrojada. Como diz Stephen Covey: “Se a escada não estiver apoiada na parede correta, cada degrau que subimos é um passo a mais para um lugar equivocado”. Todavia, com tantos tipos de marketing, é possível que muitos empreendedores subestimem a “parede”.

          Diante de tantos amadorismos constatados, ainda é possível arriscar sem medo, no fato de que em meio a tantas tribulações, o cliente só quer atenção, empatia, consideração e um ambiente limpo, que também seja acessível para deficientes físicos. O cliente quer que a ligação não demore, tenha qualidade e não caia, para ele precisar ligar novamente. Ele quer um sorriso, quer se sentir valorizado e escutado, sem preconceitos.  Ele quer ambiente climatizado, daqueles que não dá vontade de sair do estabelecimento seja a estação verão ou inverno, e por quê não?! O cliente anseia por alguém do outro lado que realmente queira entende-lo e ajuda-lo, não o respondendo como se ele fosse apenas mais um escutando o robô falar ou recebendo mensagem automática via WhatsApp. Ele anseia se sentir Alguém importante. E quanto mais tempo em uma empresa, o mínimo que o cliente espera é a sua fidelidade, empresário.  Ele irá se encantar ao ser prestigiado. E de uma vez por todas! Ele não quer ter que repetir a mesma coisa um “zilhão” de vezes só porque a empresa, em pleno século 21 ainda não tem um sistema CIM (customer internalitianship management). O cliente quer ter a paz de espirito em não precisar conferir cada processo, apenas para que ele tenha a mais primária certeza de não estar “levando gato por lebre”. Ele quer integridade e sobretudo deseja um bom relacionamento a partir da empresa para que assim recíproco seja.

          Contudo, muitas são as técnicas, muitos são os modismos e as novidades, mas voltar ao básico poderá ser a coisa mais genial que você irá fazer de agora em diante. Afinal de contas é melhor ser simples com excelência do que sofisticado com mediocridade. Atente-se a cada processo do seu negócio! E você? Vem se esforçando constantemente para atender, satisfazer, encantar ou só isso tudo? Lembre-se, não tenha o negócio na alma, mas coloque a sua alma no negócio.

pt Português
X
Open chat