Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

História e política: “Amar é dar o que não se tem”

Foto: Pixabay
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Há quem diga que quem nunca ficou meio borocoxô escutando Marília Mendonça não amou de verdade. Afinal, amar e sofrer é uma combinação tão perfeita que não à toa domina canções, livros, novelas. O que não faltam são desencontros amorosos e amantes chorosos prontos para se deleitarem com aquela história de amor imperfeito que é só sofrimento e identificação. Mas, de onde vem essa ideia de que todos estamos fadados a sofrer por amor?

Revisando a história do amor no Ocidente, é possível perceber as diferentes configurações do amor produzidas ao longo do tempo. É na Grécia Antiga que encontramos o primeiro tratado filosófico sobre o amor: O Banquete de Platão. Nele nos deparamos com a noção do amor como algo Bom, Belo e Verdadeiro; sentimento único, universal e intrínseco à natureza humana, relacionado à permanência e que, portanto, escapa à frivolidade da atração sexual e sentimental.

Chegando à Idade Média, encontramos o amor reproduzido sob a égide do Cristianismo. O amor verdadeiro seria, portanto, um sentimento voltado para algo que transcende a vida mundana e aspira à eternidade. Nessa esteira, o casamento se configurava como espaço a fim da propagação dos filhos de Deus pela constituição da família.

Em resposta a este cenário, surge no séc. XII o amor cortês como uma recusa aos padrões estabelecidos pela Igreja, enfatizando o aspecto do amor-paixão enquanto sofrimento e renúncia ao objeto de desejo. Há, portanto, uma laicização do objeto de amor, onde a mulher, a dama cortejada, entra em cena como objeto do amor idealizado.

Na Modernidade, fundindo elementos das reproduções anteriores, o amor ganha a forma do amor-romântico, um sentimento universal, sem o qual não há felicidade, pré-requisito para realização pessoal e onde não são estabelecidas diferenciações claras entre amor, paixão e atração. isto é, um amor marcado por idealizações, sobretudo de completude. Paradoxalmente, esse amor tende a se manifestar de maneira frívola e efêmera, pois, ancorado em um ideal de perfeição inalcançável, acaba por lançar o sujeito em constante insatisfação e consequente sofrimento.

À procura da metade da laranja o sujeito contemporâneo não percebe que os encontros amorosos se dão como plugs de três pinos que não se encaixam em tomadas de dois furos. É o que demonstra Jacques Lacan, psicanalista francês, quando aponta que o amor não existe sem o desejo e este, por sua vez, não existe sem a falta, visto que não se procura o que já se tem, busca-se a partir de uma falta. Ou seja, a associação inescapável que se faz entre amor e sofrimento na atualidade se dá por essa constante negação da incompletude dos laços amorosos. Afinal, o amor não funciona como um bloco de encaixe, e sim como exercício de respeito à alteridade.

Carolina Rodrigues Ribeiro
Graduada em História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e pós-graduada em Ciência Política pela Universidade Cândido Mendes.

pt Português
X
Open chat