Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Dia da Consciência Negra: Ataulfo Alves, um dos maiores da MPB

Foto: Arquivo Nacional
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Ataulfo Alves de Sousa nasceu, em Miraí, no dia 02 de maio de 1909. Foi um grande cantor e compositor de samba. Aos oito anos de idade já escrevia versos. Mais tarde, quando ainda frequentava a escola, foi leiteiro, condutor de bois, carregador de malas, mensageiro, engraxate, marceneiro e lavrador.

Aos 18 anos, foi morar no Rio de Janeiro junto com um médico para quem trabalhava com o ajudante de farmácia. Aos 19 anos, já tocava violão, cavaquinho e bandolim. Aos 20 anos, começou a compor e tornou-se diretor de harmonia do bloco “Fale quem quiser”. Em 1933, Almirante gravou a sua primeira composição lançada em disco: “Sexta-feira”. Logo depois, Carmen Miranda gravou “Tempo perdido”, que garantiu a sua entrada para o mundo artístico.

É importante ressaltar que a sua musicografia ultrapassa trezentos e vinte canções, sendo uma das maiores da MPB. Faleceu, em 20 de abril de 1969.

Em 2005, foi inaugurado, em Miraí, um acervo memorial de Ataulfo Alves. Em 2017, com a criação da Academia Miraense de Letras, o cantor e compositor, recebeu homenagem póstuma, sendo proclamado Patrono Perpétuo da cadeira n°2.

pt Português
X
Open chat