Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Dia da Consciência Negra: Candeia sambista nota 10

Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Antônio Candeia Filho, conhecido como Candeia, nasceu em 17 de agosto de 1935, no Rio de Janeiro. Foi considerado um grande sambista, cantor e compositor.

O seu pai (Antonio Candeia) tocava flauta em rodas de samba e choro, sendo considerado o idealizador das Comissões de Frente das escolas de samba. Candeia, desde pequeno, frequentava encontros com sambistas renomados, os quais ocorriam na casa do seu pai, bem como de sua mãe (Ester). Começou a tocar violão e cavaquinho ainda jovem.

Como integrante da escola de samba “Vai como Pode”, participou do núcleo original de sambistas, os quais fundaram a Portela. Ele compôs o seu primeiro samba em parceria com Altair Marinho para a Portela, em 1953 (“Seis datas magnas”), que conseguiu nota máxima, sendo um feito inédito. Foi policial (investigador) entre o início da década de 1960 até 1965, porém nunca deixou o samba de lado. A sua saída da polícia foi por conta de uma batida de trânsito. O motorista o surpreendeu e desferiu cinco tiros, fato este que o deixou sem o movimento das pernas (aposentadoria por incapacidade).

Em 1970, lançou o seu primeiro disco como intérprete (“Candeia”), destaque para a música “Dia de Graça”, um dos seus grandes sambas. Em 1971, lançou o seu segundo disco (“Raiz”) com o surgimento de outro clássico do samba: “De qualquer maneira”. No ano seguinte, concluiu o seu terceiro disco (“Samba de roda”) e participou da gravação do LP “Partido em 5”.

Em 1975, lançou um manifesto crítico aos rumos que a Portela vinha adotando no Carnaval. Como as suas ideias nunca foram discutidas pela direção da escola, em dezembro daquele ano, fundou com outros sambistas e compositores o “Grêmio Recreativo de Arte Negra Escola de Samba Quilombo”.

Em 1977, participou do álbum “Quatro grandes do samba” com Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Elton Medeiros, como também escreveu o livro “Escola de samba: árvore que esquece a raiz”. Em 1978, o seu livro foi lançado e o seu último álbum. No entanto, em 16 de novembro, faleceu.

pt Português
X
Open chat