Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Dia da Consciência Negra: Cartola sambista que transcende gerações

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

Agenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola, compositor de clássicos do samba brasileiro como “As rosas não falam”, nasceu em 11/10/1908.

A vida do sambista foi cercada de altos e baixos. Mudou-se aos 11 anos para Mangueira, onde começou a frequentar as rodas de samba e deu início a vida boêmia. Aos 15 ficou órfão de mãe e não tendo onde dormir, visto que seu pai lhe colocara pra fora de casa, passava as madrugadas na boemia.

Sendo um dos fundadores da escola de samba Estadão Primeira de Mangueira, sua importância transcende o aspecto somente musical, mas traz toda sua importância para o samba como conhecemos.

Nos anos 30, a polícia do Rio prendia por “vadiagem” os crioulos. Para impressionar os policiais e evitar as prisões, Cartola pôs terno e gravata nos primeiros foliões que entravam na avenida. Estava criada a comissão de frente das escolas de samba.

É nítida a importância de Cartola para o samba, sua música transcende gerações, sendo ouvida, ainda, por milhares de jovens, visto que é atemporal.

pt Português
X
Open chat