Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Dia da Consciência Negra: Jamelão tradicional intérprete da escola de samba Mangueira

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 

José Bispo Clementino dos Santos, conhecido como Jamelão foi o tradicional intérprete dos sambas-enredo da escola de samba Mangueira.

 

O cantor conheceu a conheceu a Estação Primeira de Mangueira e se apaixonou pela escola de samba, através de um amigo que o levou até a escola.

 

O apelido de ‘Jamelão’ ocorreu na época em que se apresentava em gafieiras da capital fluminense. Iniciou tocando tamborim na bateria da Mangueira e depois se tornou um dos principais intérpretes da escola.

 

Logo, passou para o cavaquinho e depois conseguiu trabalhos no rádio e em boates.

 

Entre seus sucessos, estão “Fechei a Porta” (Sebastião Motta/ Ferreira dos

Santos), “Leviana” (Zé Kéti), “Folha Morta” (Ary Barroso), “Não Põe a Mão” (P.S. Mutt/ A. Canegal/ B. Moreira), “Matriz ou Filial” (Lúcio Cardim), “Exaltação à Mangueira” (Enéas Brites/ Aluisio da Costa), “Eu Agora Sou Feliz” (com Mestre Gato), “O Samba É Bom Assim” (Norival Reis/ Helio Nascimento) e “Quem Samba Fica” (com Tião Motorista).

 

De 1949 até 2006, Jamelão foi intérprete de samba-enredo na Mangueira, sendo voz principal a partir de 1952, quando sucedeu Xangô da Mangueira.

 

Jamelão, será um dos homenageados pela Mangueira no enredo de 2022, ao lado de Cartola e Delegado.

pt Português
X
Open chat