Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Dia da Consciência Negra: Malcolm X um dos maiores ativistas pela luta dos afro-americanos

Malcolm X foi assassinado antes de um discurso que faria em Nova York (Foto: Reprodução)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Malcolm X foi um dos maiores ativistas pela luta dos afro-americanos por mais direitos civis. Ele nasceu em Omaha, Nebraska, em 19 de maio de 1925, e seu nome de registro era Malcolm Little. Foi o quarto filho de seis que seu pai, Earl Little, e sua mãe, Louise Little, tiveram ao longo de suas vidas. O pai de Malcolm era um ativista bastante atuante no movimento em defesa dos direitos dos afro-americanos e pertencia à Universal Negro Improvement Association (Associação Universal pelo Progresso dos Negros, em uma tradução livre). Não tem como falar do Dia da Consciência Negra e não lembrar de toda sua contribuição para o mundo.

A família de Malcolm sofreu intensamente com a perseguição da Ku Klux Klan em razão da atuação de Earl Little no ativismo. Essa perseguição forçou a família de Malcolm a mudar de cidade duas vezes. Além disso, em 1929, a casa onde Malcolm e sua família morava foi incendiada sem que os bombeiros fizessem nada para impedir o incêndio.

Malcolm X ganhou destaque como porta-voz nacional da Nação do Islã, um grupo muçulmano afro-americano que defendia o separatismo negro. Ele passou mais de uma década com o grupo antes de se desiludir, rompendo publicamente com o movimento em 1964 e moderando algumas de suas opiniões anteriores sobre separação racial.

Em 1941, Malcolm mudou-se de Lansing para Boston, local onde passou a morar com sua irmã, Ella Little-Collins. Em Boston, Malcolm começou a trabalhar como engraxate e, a partir de algumas amizades, conheceu a boemia e passou a consumir bebidas alcoólicas e fazer uso de drogas. Acabou sendo preso e sentenciado a dez anos e prisão cinco anos após chegar em Boston.

Após sair da prisão, Malcolm X passou a atuar ativamente pelo Nação do Islã, sendo nomeado ministro de um templo do grupo no Harlem. Em geral, Malcolm X defendia a resistência dos negros por “qualquer meio necessário”, inclusive a violência em caso de autodefesa. O discurso de Malcolm X contra os brancos era ácido e gerou incômodo nos Estados Unidos.

Ele foi morto a tiros no Audubon Ballroom de Nova York enquanto se preparava para fazer um discurso. Três membros da Nação do Islã foram condenados pelo ataque, em 1966, com apenas 39 anios.

pt Português
X
Open chat