Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Neguinho da Beija-Flor, a voz marcante do samba carioca

Foto: Reprodução/ Facebook
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Luiz Antônio Feliciano Marcondes Neguinho da Beija-Flor, nasceu em Nova Iguaçu, em 29 de junho de 1949.

É um grande sambista, puxador de samba, intérprete musical, cantor e compositor. Aos dez anos de idade, ganhou um concurso de cantores mirins, interpretando um samba de Jamelão.

Em 1970, estreou a sua carreira como puxador de samba no bloco “Leão de Iguaçu “. Foi rejeitado nas alas de compositores do Salgueiro, Império Serrano, Portela e Mangueira, mas chamou a atenção de Cabana, compositor da Beija-flor, que o convidou para se juntar aos músicos da escola em 1975 e continua lá até hoje.

O seu amor pela escola é tão grande que incorporou o nome artístico à sua Certidão de Nascimento.

Lançou seu primeiro disco em 1980, ao qual seguiram -se outros, com sucessos, tais como: “Os Cinco Bailes da História do Rio”, “Aquarela Brasileira”, “Sonhar com Rei da Leão”, “Nervos de Aço”, “Ângela”, “Divina”, “Magali”, Esmeralda”, “O Campeão (Meu Time)” e “Mulher, mulher, mulher”.

Em 1991, ganhou o prêmio Sharp na categoria melhor cantor de samba.

pt Português
X
Open chat