Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Ecoassociados – Em defesa das tartarugas marinhas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O Jornal DR 1 em passagem pelo Estado de Pernambuco, teve a grata satisfação de ter sido recebido na sede do Ecoassociados, pelos seus integrantes, para que pudéssemos conhecer e divulgar este brilhante trabalho em defesa das tartarugas marinhas que todos os anos veem até a costa para desovarem

Jornal DR 1 – Como nasceu a ideia de se criar uma organização?

Em 1998 éramos um grupo de estudantes, graduandos em Biologia e pesquisadores que exploravam as praias do Município de Ipojuca à procura de tartarugas marinhas. Entre os integrantes do grupo estava o geógrafo e especialista em Oceanografia, Carlos Fernando Pereira que atuava, na época, como Supervisor do Meio Ambiente da Secretaria de Desenvolvimento, Turismo e do Meio Ambiente (SEDETMA) de Ipojuca-PE, e, realizava dentre todas as funções da Secretaria a de proteger tartarugas marinhas, em suas horas vagas. Um apaixonado que veio idealizar uma instituição que, no futuro, seria uma organização não governamental.

Jornal DR 1 – Quando foi fundada a organização?

Ecoassociados foi fundada em 2003, uma Organização Associativa, sem fins lucrativos que desenvolve suas ações no Município de Ipojuca, situado a 47 km, ao Sul da região metropolitana de Recife-PE.  Integrada pela comunidade científica e comunidade nativa da região.  Atuando na área de conservação, reabilitação, gestão, educação ambiental e pesquisas científicas.

Jornal DR 1 – Como se desenvolve o trabalho da ONG?

A princípio começou de forma exploratória e com a ajuda da comunidade. Logo o monitoramento passou a ser com frequência com coleta de dados sistematizados, de acordo, com os padrões de procedimentos de marcação e biometria adotados pelo Projeto TAMAR/ICMBIO. Em 2008, a Ecoassociados passou a obter dados substâncias que comprovassem a frequência das desovas de tartarugas marinhas, nas praias de Ipojuca. A partir daí, começou a solicitar ao Projeto Tamar autorização para marcar os indivíduos que ali desovavam. Em 2011, a organização obteve a autorização para atividades com finalidade científicas concedidas pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), através do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO). Após 10 anos de atuação efetiva em defesa da conservação do meio ambiente marinho e terrestre a Ecoassociados, finalmente, conseguiu formalizar o protocolo de marcação e biometria de tartarugas marinhas, com o Centro TAMAR/ICMBIO.

Jornal DR 1 – O que garante o bom funcionamento do projeto?

Para que o projeto pudesse funcionar, plenamente, foi necessário construir parcerias envolvendo diversos segmentos. Destacando-se a parceria realizada com os guarda-vidas que foram capacitados para atuarem em prol do meio ambiente, estando aptos a identificarem as espécies de tartarugas marinhas e a realizarem procedimentos de campo. Parceiras com a Prefeitura, os bugueiros, os jangadeiros e a rede hoteleira foram desenvolvidos ao longo do tempo, visando, assim, uma melhor atuação do monitoramento e sem prejudicar o trabalho dos parceiros. Na área acadêmica passamos a atuar com diversas universidades e faculdades do Estado. Atualmente, são nossas parceiras a Universidade de Pernambuco através do laboratório de ecologia de peixes tropicais; Universidade Rural de Pernambuco, através do grupo de estudos Hepertológicos e Paleohepertológicos do Nordeste (GEHP) CNPq e do Laboratório interdisciplinar de Anfíbios e Répteis – LIAR, elaborando projetos, realizando monitoramento, apoiando as pesquisas e atividades de graduação, mestrado e doutorado. Podendo, assim, incorporar os resultados nas políticas públicas, além de minimizar os impactos causados ao meio ambiente.

Também desenvolvemos palestras, oficinas e minicursos, além de realizar trabalhos com as escolas locais, ajudando a ampliar e multiplicar o conhecimento sobre a biodiversidade local. Utilizamos a educação ambiental como principal ferramenta de trabalho para a conservação do meio ambiente.

Contamos, também, com o museu da tartaruga, na sede do projeto, onde recebemos escolas e visitante tanto da comunidade local quanto turistas do Brasil e de outros países.

Jornal DR 1 – O projeto recebe algum tipo de subvenção?

Recebemos apoio financeiro da Prefeitura Municipal de Ipojuca, através de convênio formalizado e renovado anualmente e através de campanhas e doações como a campanha Adote um Ninho direcionada a pessoa física e a Campanha de Apadrinhamento de Ninhos direcionadas a pessoa jurídica, venda de produtos na Loja Ecoarts, além de doações diretas na sede. ECOASSOCIADOS – Rua Caraúna, Pça 4 S/N – Porto de Galinhas – Ipojuca – PE

pt Português
X
Open chat