Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Beija-Flor adota nova verificação de vacinas contra a Covid-19 na quadra

Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Atenta à Covid-19, a Beija-Flor adotou em sua quadra um novo processo de validação digital do comprovante de vacinação contra a doença, realizado pela empresa Veus Saúde, pioneira no desenvolvimento de tecnologias de controle sanitário em grandes eventos. O protocolo adotado utiliza o aplicativo SAÚDECHECK-IN, é válido desde fevereiro e se assemelha ao aplicado em estádios de futebol e outros eventos culturais.

O app em questão é considerado a maior plataforma de integração digital de laudos de Covid no país: por meio dela, a Veus Saúde confere digitalmente se os componentes e visitantes da Beija-Flor estão com o ciclo de vacinação em dia contra o coronavírus. Eles precisam disponibilizar à ferramenta dados como CPF e carteira de vacinação gerada no ConecteSUS.

Após a validação dos dados pelo SAÚDECHECK-IN, os foliões recebem um QR Code que é validado na entrada dos eventos da azul e branca. A iniciativa foi lançada no último dia 17 e, após uma pausa nos treinos, passará a ser adotada todas as quintas-feiras, nos tradicionais treinos de quadra da “Deusa da Passarela” — a agremiação se prepara para apresentar, em abril, o enredo “Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor”.

— A gestão da saúde é uma camada de segurança que deve ser adotada na realização de grandes eventos, incluindo o Carnaval. Nossa solução traz um grande diferencial, oferecendo uma tecnologia de monitoramento rigoroso de acesso que permite a realização dos ensaios da escola de forma segura e controlada — diz Marcelo Botelho, CEO da Veus Saúde.

A conferência dos dados vacinais ainda é uma importante maneira de combate à Covid, mesmo com a flexibilização no uso de máscaras de proteção facial em espaços fechados, como aconteceu na capital fluminense esta semana. Autoridades de Saúde só preveem o fim da obrigatoriedade do certificado quando cerca de 70% da população já estiver com doses de reforço, patamar ainda distante das realidades brasileira, do Rio e de Nilópolis.

pt Português
X
Open chat