Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Cid Moreira: a inconfundivel voz do jornalista brasileiro

Foto: Reprodução - Youtube.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Cid Moreira é um jornalista, locutor e apresentador brasileiro. Nasceu em Taubaté, no estado de São Paulo, no dia 29 de setembro de 1927.

Cid começou na rádio Difusora de Taubaté, como contador aos quinze anos. Como sua voz era muito bonita e grave, foi convidado para ser locutor. Após se formar como contador, se transferiu para a Rádio Bandeirantes em 1947.

Em 1951 foi contratado por Gilberto Martins junto com Carlos Henrique e Nelson de Oliveira para a Rádio Mayrink Veiga. Ali permaneceu por doze anos como um dos principais narradores, até ser contratado pela TV Excelsior.

Narrou documentários para cinema, onde também apresentou o noticiário semanal Canal 100 produzido por Carlos Niemeyer. Em 1955, atuou como ator no filme Angu de Caroço, voltando ao cargo de narrador em 1958 no filme Traficantes do Crime.

Sua vida profissional ganhou destaque no Jornal Nacional veiculado na Rede Globo a partir de 1969. O apresentador se tornou famoso pela voz grave e inconfundível. Apresentou entre 1969 e 1996 o Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão, sendo um recordista como um âncora que mais tempo esteve à frente de um mesmo telejornal.

A estreia do Jornal Nacional em 1.º de setembro de 1969 foi com o locutor Hilton Gomes. A última edição de Cid Moreira como âncora do Jornal Nacional ocorreu em 29 de março de 1996, ao lado de Sérgio Chapelin.

Em 1975, Cid Moreira provê narração para o documentário Brasil: Ontem, hoje e amanhã, material de propaganda do governo comemorando os onze anos de ditadura militar no Brasil.
Cid Moreira narrou trechos da Bíblia, em áudio, empreendimento no qual obteve sucesso junto ao público católico, com mais de 30 milhões de CDs vendidos. “As gravações mais destacadas são: “A Bíblia Sagrada”– O Novo Testamento” (2002), “Coleção Novo Testamento” (2004), “A Bíblia Sagrada em texto integral” (2004 a 2009).

Entre as décadas de 1970 e 2010, também foi um dos apresentadores do Fantástico. Com tom misterioso, comandava o quadro do ilusionista Mister M, que marcou sua carreira.
Tal foi o sucesso da voz e entonação de Cid Moreira que teve muita repercussão a vinheta da Copa do Mundo de 2010, onde ele entoava o “Jabulaani” por conta dos erros dos jogadores provocados pela bola oficial daquele evento. A gravação da voz foi sucesso imediato no Youtube e na Televisão.

Em 24 de abril de 2015, apresentou um bloco do Jornal Nacional junto com Sérgio Chapelin, Willian Bonner e Renata Vasconcellos, como uma forma de homenagem da Globo aos dois jornalistas, que por muitos anos apresentaram o Jornal Nacional, na semana de aniversário de cinquenta anos da Rede Globo. Denominaram a última da reportagem da série “50 Anos de Jornalismo da Globo” apresentado de 20 a 24 de abril dentro do programa.

Teve três casamentos, o primeiro com Olga Verônica Radenzev Simões, de 1970 e 1972; depois com Uihiana Naumtchyk Moreira, de 1993 a 2000; e, desde 2000, com Fátima Sampaio. O casal vive atualmente em Petrópolis, no Rio de Janeiro. Tem dois filhos: Roger Moreira e Rodrigo Moreira.

Aos 83 anos, lançou a biografia “Boa Noite”, cujo título é uma referência à frase diária dita nos tempos que apresentava o telejornal diário.

O jornalista é vegetariano desde os 60 anos de idade. Durante a quarentena, mantém atividade física regular e também a produção de conteúdo para o YouTube.

pt Português
X
Open chat