Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Entrevista com Matheus Henrique “O Empreendedorismo está nas minhas veias, eu trabalho desde os 5 anos de idade”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Formado em engenharia de produção, Matheus Henrique sempre foi um apaixonado pela cozinha e pelos doces, oriundo de família do ramo da padaria no Pará, ele não negou suas raízes. Aliou elementos de sua profissão com a confeitaria.

Com seu amor pela cozinha e com seu dom já salvou até um casamento quando a pessoa responsável pelos doces, simplesmente desapareceu. O casório não teve bem casado, mas teve brownie.

Brownies que mudaram a vida do jovem Matheus Henrique, paraense morador do Rio de Janeiro há mais de uma década, ele resolveu investir no seu sonho e talento que tem para os doces e abrir seu próprio negócio.

Paixão, empreendedorismo e luta essa é a tônica da vida de Matheus Henrique que hoje mora em São Gonçalo e atende pedidos nas cidades da Região Metropolitana do estado do Rio de Janeiro.

Criador da Engenharia do Brownie, Matheus Henrique conversou com o Jornal DR1 e nos contou um pouco de sua história e sua trajetória.

Jornal DR1: Primeiro o Jornal gostaria que você se apresentasse aos nossos leitores.

Matheus Henrique: Meu nome é Matheus Henrique Rodrigues Amorim, tenho 29 anos sou formado em Engenharia de Produção, nasci na cidade de Ourém no estado do Pará, mas já faz quase 14 anos que moro aqui no estado do Rio de Janeiro, hoje mais precisamente na cidade de São Gonçalo

Jornal DR1: Como que foi o processo da sua vida profissional até chegar ao brownies?

Matheus Henrique: O empreendedorismo está nas minhas veias, eu trabalho desde os 5 anos de idade, sempre fiz doces para família e amigos, e sempre fui motivado por essas pessoas para começar a comercializar os meus doces, mas foi só em 2019, após salvar o casamento de uma amiga que a ideia saiu do papel. Eu sou Engenheiro de Produção por formação, então tive a brilhante ideia de usar elementos da Engenharia e combinar com os brownies, e assim nasceu a ‘Engenharia do Brownie’.

Jornal DR1: Conte um pouco mais sobre o salvamento do casamento da sua amiga?

Matheus Henrique: Sempre fiz doce para amigos e familiares, em 2019 uma amiga que ia casar teve problemas com a fornecedora de doces e a irmã dela veio me pedir ajuda. Claro que ajudei, o único problema era que eu não sei fazer bem casados, então investi nos brownies, mini-brownies, tipos diferentes e isso também acabou me impulsionando a ir para um lado mais profissional da coisa.

Jornal DR1: Você se inspirou em alguém para começar essa empreitada ou já era algo que você desejava fazer?

Matheus Henrique: Inspirei-me em um perfil de Brownie, mas também já era algo que eu sempre tive vontade de fazer que era ter o meu próprio negócio.

Jornal DR1: Qual o maior desafio que você enfrentou até hoje nessa empreitada de ser empreendedor?

Matheus Henrique: O maior desafio sem dúvidas foi o momento da pandemia, foram quase dois meses sem conseguir realizar alguma venda quase que enlouqueci com a seca de vendas (risos).

Jornal DR1: Com essa dificuldade pensou em algum momento em desistir?

Matheus Henrique: Não! A única coisa que não pensei foi em desistir, com a dificuldade da pandemia me reinventei, com isso comecei a vender o brownie de pote, e aí comecei a me reerguer nesse meio.

Jornal DR1: Você ainda não tem uma loja física, como que funciona a questão de encomendas e seu trabalho?

Matheus Henrique: Como ainda não tenho uma loja física, a pessoa interessada pode encomendar através do instagram ou do whatsapp, costumo fazer uma entrega rápida, normalmente no dia seguinte, mas também faço alguns brownies para pronta entrega, casos seja necessário.

Jornal DR1: Existe algum objetivo, como lojas físicas ou uma produção em maior escala?

Matheus Henrique: A princípio meu objetivo é ter algo maior para produzir mais. Loja física nunca foi meu objetivo, mas só Deus sabe o dia de amanhã. Se por acaso ele achar que eu devo abri uma, eu irei abrir.

Jornal DR1: Você é do Pará e atualmente reside no Rio de Janeiro, existe a intenção de que a Engenharia do Brownie seja uma marca em mais de um local?

Matheus Henrique: Sim sou Paraense com muito orgulho, e moro nesse estado que amo de Paixão, pois me acolheu de braços abertos, com toda certeza quero que seja uma marca bem conhecida, se possível no Brasil inteiro!

Jornal DR1: Como que faz para conhecer o trabalho da engenharia do brownie?

Matheus Henrique: O principal meio de contato e de divulgação é através do Instagram da Engenharia do Brownie que é o @brownie.eng

pt Português
X
Open chat