Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Greve Global pelo Clima pede justiça climática e a transição para um novo sistema socioeconômico

Foto: 350 latinoamérica
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Nesta sexta-feira (25), jovens ativistas se reuniram em 13 cidades do Brasil na Greve Global do Clima para exigir justiça climática e a transição para uma mudança sistêmica e inclusiva na sociedade. A greve é organizada pelo movimento Fridays For Future (“Sextas-feiras pelo Futuro”, em tradução livre), liderado pela juventude, e tem como tema “Ruína ou Revolução”, que reivindica um novo sistema socioeconômico que freie os impactos da crise climática, faça uso racional dos recursos naturais e reduza a desigualdade social.
“Com o atual cenário de emergência que vivemos hoje, não só no Brasil mas no mundo, fica evidente que as gerações passadas falharam brutalmente conosco. Milhares de jovens ao redor do globo não deveriam ter que ir às ruas para reivindicar o direito a ter um futuro e a pensar sobre suas próprias vidas. Cientistas apontam que essa próxima década será crucial para definir o futuro da humanidade, por isso, não podemos falhar mais uma vez. A juventude está indo às ruas neste dia para gritar em uma só voz, será ruína ou revolução”, afirma Mikaelle Farias, ativista do Fridays For Future Brasil.
Dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado em fevereiro, revela que nas regiões onde vivem pessoas em maior situação de vulnerabilidade social, a mortalidade causada por eventos climáticos extremos foi 15 vezes maior na última década do que nas mais adaptadas aos impactos do clima. Segundo o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Petteri Taalas, quatro entre dez pessoas no mundo vivem em condições vulneráveis à mudança climática, principalmente em países da África, Ásia e América do Sul. O avanço do desmatamento na Amazônia também contribui com a piora da crise climática. Só no último mês, dados do sistema Deter (Inpe) apontam um aumento de 62% no desmatamento na Amazônia em relação ao mesmo período de 2021.
A agenda da greve conta com mobilizações nas diferentes regiões do Brasil, com ações já confirmadas no Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Brasília, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul. Seguindo todas as normas de segurança em combate à Covid-19, a greve contará com a mobilização de forma presencial. A agenda completa com as atividades e locais onde as greves vão acontecer podem ser encontradas na página oficial do Fridays Brasil.

pt Português
X
Open chat