Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Março Verde: mês chama atenção para a neuromielite óptica

Foto de Ksenia Chernaya no Pexels
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Por meio do movimento “Março Verde”, as Organizações Não-Governamentais Amigos Múltiplos pela Esclerose(AME) e a Crônicos do Dia a Dia (CDD), e o grupo NMO Brasil chamam atenção para a Neuromielite Óptica (NMO), também conhecida como doença de Devic. Autoimune e de origem neurológica, ela acomete, principalmente, os nervos ópticos e a medula espinhal.

A iniciativa, voltada para toda a sociedade, acontece no mês que marca o Dia da Conscientização da Neuromielite Óptica, 27 de março. Entre as ações da campanha, destacam-se a iluminação do Cristo Redentor na cor verde, no Rio de Janeiro; exposição de pôsteres informativos nas estações Faria Lima e Borba Gato do metrô de São Paulo; lives com especialistas e pacientes nas redes sociais do NMO Brasil; hotsite com informações da doença; cartilha digital para profissionais da saúde e a divulgação do vídeo oficial da campanha.

“Temos um compromisso com toda a comunidade de NMO. Nós entendemos que é preciso ampliar a conscientização da população sobre essa doença, que ainda é subdiagnosticada, e sobreseus sinais e sintomas. Só assim conseguiremos mais agilidade no diagnóstico e melhores práticas de cuidados”, explica Gustavo San Martin, diretor executivo da AME e da CDD.

Segundo ele, o Março Verde também é uma oportunidade para destacar a necessidade da criação de políticas públicas exclusivas para o atendimento da NMO. “Atualmente, não há um protocolo clínico exclusivo para o tratamento dessa patologia no Brasil. Isso dificulta consideravelmente o acesso a tratamentos adequados. Os pacientes se sustentam, de maneira precária, em protocolos de outras doenças, como a esclerose múltipla”, informa.

Os principais sintomas da neuromielite óptica incluem perda temporária de visão, dor nos olhos que, geralmente, piora com o movimento, sensações alteradas com sensibilidade à temperatura, dormência e formigamento, membros fracos e pesados. “Por ter uma ampla variedade de sinais e sintomas, a NMO pode ser confundida com diferentes doenças, especialmente a esclerose múltipla e outras doenças autoimunes. Diante de qualquer suspeita, é necessária uma investigação especializada. Esse é sempre o primeiro passo para uma prescrição medicamentosa correta”, diz Denis Bichuetti, neurologista e professor da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

“Os médicos, especialmente os não neurologistas, precisam conhecer os sinais e sintomas indicativos de NMO, porque muitas vezes são eles que avaliam os pacientes pela primeira vez, levantam a suspeita e fazem o encaminhamento para um neurologista habilitado”, pondera Bichuetti, que também é consultor científico da AME e da CDD.

Segundo o especialista, o tratamento adequado pode reverter o déficit neurológico agudo, quando implementado a tempo. Aliado à terapia de manutenção, com medicação de uso crônico, ele alivia desconfortos e melhora a qualidade de vida das pessoas com NMO.

Em alusão à sigla NMO e aos sintomas da doença, a campanha de Março Verde deste ano trará a hashtag #NãoMenosprezeosSinais.00

pt Português
X
Open chat