Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Museu do Amanhã sediou Prêmio Ubuntu Edição Ouro 2022

Fotos: Arquivo Pessoal
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O Prêmio Ubuntu de Cultura Negra Edição Ouro 2022 foi realizado no último sábado (26), no Museu do Amanhã, com o tema “Representatividade e Resistência”. A honraria foi criada para celebrar e enaltecer a cultura negra e ações que fortalecem a cultura afro-brasileira, principalmente as que se destacaram no enfrentamento das mazelas sociais potencializada pelo COVID 19 nos últimos dois anos.

Uma homenagem a 100 personalidades, entre elas: Léa Garcia, Ruth de Souza (in memorian) Marina Miranda (in memorian), Chica Xavier (in memorian), Jorge Coutinho, Milton Gonçalves, Romeu Evaristo, Elza Soares (in memorian), Zezé Motta, Babu Santana, Hélio de la Peña, Jonathan Azevedo, Aline Borges, Deo Garcez, Serjão Loroza, Robson Santos e Veralindá Ménezes.

Ubuntu significa humanidade, esse é o sentimento de benevolência, em relação aos semelhantes, e aos desfavorecidos.  A premiação marca o encerramento da programação antirracista promovido pela Coordenadoria Executiva de Promoção da Igualdade Racial (CEPIR) da Secretaria Municipal de Governo e Integridade Pública (SEGOVI) da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

A escritora Veralindá Ménezes rompeu paradigmas há 14 anos quando criou a primeira princesa negra dos contos de fadas – Violeta – e o primeiro anjo negro da literatura brasileira.

‘É fundamental receber esse prêmio principalmente para que meu trabalho tenha mais visibilidade. especialmente entre as gerações Instagram que conhecem pouco do que os mais velhos fizeram, da caminhada pela igualdade racial e outros temas do país. Coloquei as nossas crianças para que elas se empoderasse. Quando vê como a criança preta como princesa ela se sente, e se enxerga. Existem sim princesa negra agora”, contou a escritora.

O Jornal DR1 também entrevistou a atriz Aline Borges, que estará na próxima novela ‘Pantanal’ na TV Globo.

“Sou uma mulher preta que demorou 43 anos para me reconhecer como mulher negra. Vivemos em um país extremamente racista, que faz com que a gente não se conecte com nossa ancestralidade e força, justamente para que a gente não cresça, não floresça e para que a gente não ocupe os nossos espaços”, contou a atriz Aline Borges.

“Então está num evento como esse aqui, que exalta e celebra  os artistas pretos brasileiros, a cultura preta brasileira é de extrema importância. Estamos em um país que não valoriza os nossos artistas pretos, haja vista que estamos numa premiação dessa magnitude, e não temos patrocínio”, afirmou a atriz.

O diretor de cinema e teatro Rodrigo França contou sobre a importância do evento.

“Fico lisonjeado ao participar de uma celebração como essa. É um momento de recapitular e ter ciência do que a gente percorreu e do que teremos que percorrer”, contou o diretor de cinema e teatro.

Babi Cruz, esposa de Arlindo Cruz, representou o cantor na premiação. A empresária contou sobre a importância da premiação tanto para ela quanto para o cantor.

“É muita reponsabilidade ser a voz de um homem que dedicou sua vida inteira à cultura, à cultura negra, às nossas raízes, um homem que dedicou uma vida à proliferar o bem. E quando mais de um preto está reunido, a nossa força multiplica e a nossa raça fica exaltada sempre. Enfim, viva o prêmio!”, disse Babi Cruz.

O esportista WG foi aclamado pelo público em seus discurso de agradecimento. O Jornal DR1 conversou com o esportista que contou sobre a importância da receber o prêmio ‘Representatividade Esportiva’.

“Acho que é super importante para que a gente consiga abrir caminhos e que as novas gerações entendam que já possuem um espaço traçado. O esporte, a cultura e a educação podem transformar o ser humano. E através do projeto que possuo chamado ‘Cultura na cesta’ é isso que queremos, abrir espaço, unindo educação e esporte”, afirmou o atleta.

O Jornal DR1 também entrevistou a grande artista brasileira Neuza Borges. A atriz contou sobre a importância da premiação.

“Aos 80 anos está recebendo esse prêmio significa muito na minha vida, principalmente que valeu a pena. Anos atrás, nós abrimos as portas para que a próxima geração viesse e conquistasse o espaço”, contou a atriz.

No evento, a jornalista Cláudia Mastrange,  que já foi editora chefe do Jornal DR1 também recebeu a premiação.

A CEO do Jornal DR1 Ana Cristina Campelo esteve presente no evento. Assim como o colunista Vitor Chimmento, e as jornalistas Aisha Raquel e Raphaelle Santana.

pt Português
X
Open chat