Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

O dia em que minha bombinha para asma pegou fogo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Meu primeiro emprego, quando eu tinha 16 anos, foi como cuidador de um casal de velhinhos num bairro próximo à minha casa. Às 8 em ponto, toquei a campainha e uma mulher magérrima, usando óculos de tartaruga me recebeu sorridente.

– Fique à vontade, meu rapaz. Papai e mamãe estão no andar de cima e acabaram de acordar. Vou dar uma saidinha, mas volto antes do meio-dia.

Entrei no quarto o mais silencioso que pude e cada um dos velhinhos estava em sua respectiva cama. Puxei uma cadeira de veludo que jazia perto da janela e me posicionei entre ambos.

– Olá, muito bom dia! Eu sou Eduardo e…

O velhinho sem me cumprimentar nem nada, interrompeu dizendo:

– Meu caro jovem, você poderia dizer para a senhora aí do seu lado que eu detesto salada de alface e ela deveria saber disso depois de 40 anos de casada?

Percebi então que eles não estavam se falando e eu seria um pombo-correio improvisado, levando mensagens de um lado para o outro. Então me dirigi à velhinha:

– O seu marido disse que não gosta de salada de alface e que a senhora deveria saber disso depois de…

Antes de completar a frase, ela retrucou:

– Pois diga a este velho teimoso que é preciso obedecer às ordens da nutricionista, porque a Celina gastou uma fortuna com a consulta e…

– Meu jovem, – pediu o senhorzinho, encurvando–se e puxando meu casaco pela manga – avise minha esposa que quem pagou a consulta no final das contas fui eu, porque a Celina pegou toda a minha poupança e…

De repente a velhinha se virou raivosa para o velhinho e ambos começaram a se xingar e eu sinceramente não sabia o que fazer para acalmar os ânimos. E assim do nada, como robôs programados para matar, eles se entreolharam, pararam de discutir, vieram em minha direção e começaram a me agredir fisicamente.

Primeiro foi o seu Alberto que acertou um pontapé no meu joelho direito que doeu um bocado. Depois foi a dona Ana que me desferiu um tapa nervoso na cabeça, fazendo meu boné voar a uns dois quilômetros de distância.

Assustado (velhinhos não são seres graciosos e inofensivos?), saí correndo daquele hospício, desci as escadas e abri a porta que inacreditavelmente estava aberta. Continuei correndo por quarteirões inteiros, até me sentir exausto e ser acometido por uma terrível crise de asma (sempre que fico nervoso tenho este troço).

Parei numa farmácia e meio sem fôlego, pedi à atendente uma bombinha para asma. Abri a embalagem às apalpadelas, rasguei o invólucro e, ao invés das duas doses habituais, devo ter dado umas 7 ou 8 inalações. Assim que o remédio entrou nos meus brônquios, senti uma espécie de vertigem, os ouvidos zuniram, os olhos lacrimejaram.

Nossaaaaaaa, fiquei chapadão! Olhei minha bombinha na palma da mão e ela estava pegando fogo. Então, joguei-a com toda a força para o meio da rua. O céu estava todinho roxo e eu podia ouvir o canto agradável de cem mil passarinhos ao meu redor.

Não sei como cheguei em casa, mas o fato é que meu golden retriever PIX estava saltitando e balançando o rabo, vindo em minha direção. Dei um abraço super apertado no PIX (quase estrangulei o coitado) e sei lá por que, desde aquele dia, deduzi que trabalhar e frequentar hospícios são quase a mesma coisa.

pt Português
X
Open chat