Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Opinião: A guerra e a invasão aos estados soberanos

Foto: Marcelo Casal Jr./ABr
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Sem querer aqui defender um lado ou outro na guerra da Rússia contra a Ucrânia, mas se faz necessário uma análise mais profunda sobre essa invasão que está ceifando centenas de vítimas dos dois lados, principalmente de lado ucraniano.

Inicialmente analisando o lado Russo, que vem promovendo uma intervenção militar em um país soberano podemos dizer que qualquer intervenção sempre será condenada, até porque quando uma nação invade a outra, normalmente a mais fraca é a que foi invadida.

Mas a invasão tem várias motivações políticas. O governo ucraniano desde 2014 vem perseguindo as etnias russas, intensificando a repressão com prisões e torturas. Sabe-se que além de se aliar a OTAN, o governo estava negociando com o governo americano para instalações de mísseis na fronteira com a Rússia.

As notícias veiculadas nas grandes empresas de comunicação mundial, as informações dão conta de massacres de civis, promovido pelo exército russo na Ucrânia, com mais de 600 mortes. É uma lastima, principalmente quando se trata de vítimas inocentes – crianças, idosos, e demais vidas humanas.

Entretanto, sem querer fazer comparações, resgatamos fatos de guerras anteriores, como por exemplo,  durante a Segunda Guerra Mundial  as Forças Aliadas em ataques aéreos ao Japão, causou vasta destruição ao país, matando 900 mil pessoas. As Forças Armadas dos Estados Unidos contra o Japão, em meados de 1945, as cidades de Hiroshima e Nagasaki foram bombardeadas por bombas atômicas. As estimativas de baixas provocadas pelos bombardeios somam 333 mil mortos e 473 mil feridos. Contudo, outras estimativas sobre total de fatalidades, acusam entre 241 mil e 900 mil.

As Forças Aéreas dos Estados Unidos, sob o comando do general Curtis LeMay, ordenou o despejo de bombas incendiárias queimando as construções de madeira e papel dos japoneses. Tóquio foi alvo das bombas incendiárias. O número de mortos varia de 88 mil pessoas e 41 mil ficaram feridas e mais de um milhão ficaram desabrigados. Os números apresentados pelo Departamento de Incêndio de Tóquio estimaram 97 mil mortos e 125 mil feridos. O historiador Richard Rhodes definiu o número de mortes em mais de 100 mil, 1 milhão de feridos e outro milhão de desabrigados.

Sob as ordens de George W. Bush, em 2001 os Estados Unidos invade o Afeganistão pelos. Durante os 20 anos de conflito bélico o saldo foi: 2,3 mil militares americanos mortos e mais de 20 mil; 60 mil mortes de afegãos entre a guerrilha e civis.

Qualquer confronto bélico deve ser rechaçado por todo mundo. A soberania dos povos, a vida e a paz são princípios fundamentais e não há limites para defender esses princípios.

 Congressistas e STF se unem contra o povo!

 Os congressistas com o apoio do STF por 9 a 2, aprovaram meter a mão nos 5 bilhões dos cofres públicos para financiamento de campanha.   Ignoraram solenemente. Nossos impostos serão usados pelos partidos políticos para pagar as despesas de campanha eleitoral deste ano.

A conta é alta para o povão: gás de cozinha, diesel e gasolina, educação, saúde, habitação, segurança pública. O botijão de gás está sendo vendido entre R$ 90 a R$ 120 reais. Também não podemos nos omitir sobre os 15 milhões de desempregados e os 50 milhões que estão vivendo abaixo da linha da miséria. É o totalitarismo e o desprezo governando nosso País.

Vêm aí as eleições.

pt Português
X
Open chat