Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Pesquisa: 47% dos bares e restaurantes do Rio tiveram prejuízo em janeiro

Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Os donos de bares e restaurantes ainda sofrem com os impactos da Covid-19 e Influenza em suas operações no primeiro trimestre de 2022, momento em que se esperava a recuperação da crise que afetou o setor. Segundo a mais recente pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no RJ (Abrasel RJ), 47% das empresas do estado do Rio de Janeiro tiveram prejuízo no mês de janeiro, enquanto somente 23% realizaram lucro e 28% ficaram em equilíbrio.

O levantamento aponta ainda que 49% tiveram o faturamento de janeiro de 2022 inferior ao de dezembro de 2021. No entanto, mesmo com um início de ano abaixo das expectativas, mais da metade (51%) dos proprietários de bares e restaurantes afirmaram ter tido um janeiro melhor em 2022, na comparação com janeiro de 2021.

“Mesmo com a retomada das atividades do setor de alimentação fora do lar no Rio, vemos com preocupação o alto índice de empresas que iniciaram o último mês no vermelho. Termos quase 50% dos bares e restaurantes do Estado com prejuízo, na alta temporada, em um mês que tradicionalmente havia maior circulação, é um sinal claro de que o nosso setor segue precisando muito do apoio do poder público. É preciso não só haver condições de crédito justas, mas que o Rio volte a ter a pujança econômica e de desenvolvimento que foi perdida nos últimos anos” – afirma Pedro Hermeto, presidente da Abrasel RJ.

A pesquisa revela ainda que, dos negócios inscritos no Simples Nacional, quase a metade (47%) têm parcelas em atraso. Destes, 14% já se encontram com débitos inscritos na dívida ativa da União e conseguiriam parcelar a dívida com os programas existentes.

Mais de 80% dos bares e restaurantes aceitam Pix, mas cartão de crédito segue como forma de pagamento preferencial

A nova rodada da pesquisa da Abrasel RJ apurou ainda que 85% das empresas aceitam Pix. No entanto, a forma de pagamento representa apenas 2% do faturamento. O método de pagamento preferido pelos clientes continua sendo o cartão de crédito, que responde por 70% das transações, contra 18% nos cartões de débito e somente 5% em espécie. Nos pedidos via delivery, o cartão de crédito salta para 81% do total dos pagamentos.

Os dados referentes ao Rio de Janeiro fazem parte de um levantamento nacional realizado pela Abrasel, entre os dias 21 de fevereiro e 03 de março, com aproximadamente 1.300 empresas do setor de alimentação fora do lar em todo o Brasil.

pt Português
X
Open chat