Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Setor supermercadista foi o que mais gerou empregos durante a pandemia

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Em plena pandemia do novo coronavírus, o setor de supermercados foi o maior gerador de empregos no país, com 156.120 novos postos gerados, sendo 57.214 novas vagas, em 2020, e 98.906, em 2021. O setor foi responsável por 6,1% do total de novos postos de trabalho no período 2020/2021, de acordo com o Mapa dos Empregos no Setor de Supermercados, realizado pela Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserrj) em conjunto com a consultoria Future Tank.

O setor supermercadista foi o que mais gerou empregos em sete outros estados brasileiros durante a pandemia: Piauí (21%), com 3.504 vagas; Rondônia (13%), com 1.838; Maranhão (12%), com 6.860; Amazonas (11%), com 4.774; Pará (11%), com 10.819; Pernambuco (8%), com 6.377; e Ceará (7%), com 6.495 postos.

Os supermercados ficaram entre os dez setores mais geradores de postos de trabalho em 57 dos 92 municípios fluminenses, nos últimos dois anos. Lideraram as contratações nas regiões metropolitana (7.731) e serrana (621). O setor foi o primeiro contratador também em termos de municípios, com 3.032 novos empregos na capital fluminense; 1.276, em São Gonçalo; 854, em Nova Iguaçu; 459, em São João de Meriti; 427, em Petrópolis; 419, em Teresópolis.

O segundo maior setor gerador de empregos em 2020 e 2021, foi o de transporte de carga rodoviária, com 136.423 novas vagas. “O cenário de pandemia levou as pessoas a ficarem mais trancadas em casa e a demanda por logística de entrega aumentou muito”, disse Mercês.

A pesquisa ressalta também que os supermercados estão entre os dez maiores geradores de vagas em todos os estados do país. Em termos absolutos, os campeões do ranking em 2020 e 2021 foram São Paulo, com 30.989 postos gerados; Minas Gerais (17.511); Rio de Janeiro (11.120): Pará (10.819); e Rio Grande do Sul (9.757).

O estudo se baseou em dados oficiais do Novo Caged, que é a geração das estatísticas do emprego formal por meio de informações captadas dos sistemas eSocial, Sistema do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e Empregador Web.

 

 

 

Agência Brasil

pt Português
X
Open chat