Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Casos de diabetes devem subir 46% até 2045, segundo Federação Internacional de Diabetes

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

De acordo com projeção da Federação Internacional de Diabetes (IDF, na sigla em inglês), o número de casos de diabetes deve aumentar 46% até 2045, chegando a acometer 738 milhões de adultos, entre 20 e 79 anos, em todo o mundo. Se não tratada, a doença pode se agravar e acarretar outros problemas de saúde graves, mas ações de prevenção podem reduzir o risco de desenvolvimento da enfermidade e o tratamento contínuo garante mais qualidade de vida.

Fatores genéticos influenciam no desenvolvimento da diabetes, mas a principal prevenção é o estilo de vida saudável, com prática de atividade física, alimentação balanceada e controle do peso.

Como muitas vezes a diabetes não apresenta sintomas, é fundamental monitorar a glicemia para ter o diagnóstico precoce e assegurar o sucesso do tratamento. No setor farmacêutico, os biomedicamentos vêm ganhando cada vez mais espaço no combate à doença ao ampliar o acesso aos tratamentos.

A diabetes é uma síndrome metabólica causada pela dificuldade na ação da insulina, hormônio responsável pelo aproveitamento da glicose como energia para o nosso corpo, e há dois tipos principais da enfermidade.

O tipo 1 é uma doença autoimune na qual ocorre uma produção de anticorpos contra o próprio pâncreas que gradativamente destroem a produção de insulina, e acarreta no aumento da glicose. Esses quadros clínicos são mais comuns em crianças.

Já o tipo 2 surge quando há uma dificuldade de ação da insulina. “Neste caso, para manter um nível adequado de glicose no sangue, o pâncreas produz cada vez mais insulina até um momento em que ele reduz a produção, provocando o aumento da glicemia, característica da diabetes”, explica a endocrinologista Bruna Farolla.

pt Português
X
Open chat