Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Celebração das Mulheres

Foto: Pexels
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

As comemorações que enaltecem o gênero feminino não se limitaram ao mês internacional da mulher, mas se perduram em festividades das mais diversas desde o início deste abril e assim seguem.

Importante ressaltar o evento da “Book Fair Brasil – RJ”, que aconteceu no Planetário da cidade, na Gávea, como um ótimo exemplo de como mulheres têm ocupado espaços de fala cada vez mais influentes e com verdadeiro poder: o conhecimento. A “FELICA – Feira Literária Carioca”, aconteceu concomitantemente, em mesmo espaço, e, também se observou um domínio feminino grande dentre as atividades realizadas no mês passado.

Autoras, escritoras, pesquisadoras, artistas que ocuparam em maior número as mesas de debates, as palestras, as mesas de exposição das obras, e, até na plateia presencial. Realizada e produzida por mulheres de grande renome no meio cultural, como a incansável Dr.ª Prof.ª Angeli Rose, acompanhada da inspiradora Prof.ª Luciana Nascimento, a Book Fair Brasil – RJ e a FELICA resultaram do empenho do Instituto Internacional Cultura Em Movimento (IICEM) e do Coletivo Mulheres Artistas (CMA), em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

Grandes lançamentos ocorreram no espaço físico, bem como através da Feira Virtual do Livro, que transmitiu os encontros e conversas entre os convidados literatos e o público, e, cujo acesso permanece através de sua página oficial no Facebook.

Entre tais, o livro “Pássaro de Chumbo”, proveniente da Ação Álvaro da Cunha, do Instituto Lutando Pela Vida, o qual sua Presidente, Sabrina Campos da Cunha, fez a organização, coordenação e compilação de obras do Patrono, Álvaro da Cunha, do original “Pássaro de Chumbo”, de 1950, acrescido de poesias contidas na “Antologia Modernos Poetas do Amapá”, de 1960, com referências e comentários em notas contextuais.

Assim como nesta obra, consta também a chamada “poesia visual”, sobre esta forma literária discursou a pesquisadora e escritora, Prof.ª Renata Barcellos, que aprofundou a discussão adicionando informações sobre a escrita de sonêto, haikai e muito mais, para deleite da plateia interessada.

Renata Barcellos apresenta o “Programa Pauta Nossa”, do qual Sabrina Campos já participou como entrevistada e apresentou, na ocasião, o livro “Pássaro de Chumbo”, e, discorreu sobre as ações sócio-culturais do Instituto Lutando Pela Vida. Esta semana (29/04), o programa, que vai ao ar na Rádio Mundial News, trará à luz do debate entre os convidados a personagem histórica Maria Firmina dos Reis.

A escritora Maria Firmina dos Reis é comemorada através de Antologia Poética promovida pelo Coletivo Mulheres Artistas, por ocasião do bicentenário de nascimento da autora. A primeira escritora negra do Brasil, é também a primeira mulher preta da América Latina a publicar um romance explicitamente abolicionista, este, intitulado “Úrsula”, em 1859.

Além deste “Tributo à Negra Úrsula”, desde março, e, agora, em abril, as mulheres vêm celebrando também a vitória feminina da aprovação pela Câmara dos Deputados da legislação que permite a mulher fazer laqueadura

sem mais necessitar da autorização do cônjuge, assim como reduz a idade para a realização do procedimento, de 25 anos para 21 anos. Já, como Leis vigentes no país, comemora-se a Semana Nacional de Educação Preventiva e de Enfrentamento à Endometriose, instituída pela Lei 14.324/2022, bem como, a Lei 14.316/2022, criada para destinar recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) para ações de enfrentamento da violência contra a mulher, assim também, a Lei 14.310/2022, que altera a Lei Maria da Penha para determinar o registro imediato, pela autoridade judicial, das medidas protetivas de urgência deferidas em favor da mulher em situação de violência doméstica e familiar, ou de seus dependentes, e, a Lei 14.321/2022 que surgiu para tipificar o crime de violência institucional. Festejemos! Faça a sua voz ser ouvida!

pt Português
X
Open chat