Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Dólar tem maior alta em três semanas com juros nos EUA

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

As preocupações com os juros nos Estados Unidos e com o agravamento da guerra entre Rússia e Ucrânia provocou um dia de pessimismo no mercado financeiro global. Depois de três quedas seguidas, o dólar teve a maior alta diária em três semanas. A bolsa de valores caiu quase 2%, pressionada pelo mercado externo e pela indefinição em torno da troca de comando da Petrobras.

O dólar comercial fechou na última terça-feira (5) vendido a R$ 4,659, com alta de R$ 0,059 (+1,11%). A cotação chegou a abrir em queda, mas passou a subir assim que o mercado norte-americano começou a operar. Na máxima do dia, por volta das 11h45, a moeda chegou a ser vendida a R$ 4,67.

Essa foi a maior valorização diária desde 14 de março. Apesar da alta de hoje, o dólar acumula queda de 2,14% em abril. Em 2022, o recuo chega a 16,45%.

O dia também foi tenso no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 118.885 pontos, com queda de 1,97%. O indicador operou em alta durante a manhã, mas desabou durante a tarde.

A perspectiva de prolongamento do conflito entre Rússia e Ucrânia azedou o mercado financeiro nesta terça. Após a revelação de centenas de corpos de civis numa cidade próxima a Kiev, que levanta suspeitas de crime de guerra contra a Rússia, parte dos investidores começa a apostar que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) poderá aumentar os juros em meio ponto percentual nas próximas reuniões, em ritmo mais intenso que o previsto.

Na última reunião, no fim de março, o Fed elevou os juros básicos em 0,25 ponto percentual. Juros mais altos em países avançados estimulam a fuga de capitais de economias emergentes, como o Brasil.

No mercado interno, a indefinição em torno da troca de comando da Petrobras continuou a pressionar a bolsa. Ontem (4) à noite, o economista Adriano Pires, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada para administrar a estatal, anunciou a desistência do cargo. As ações da Petrobras caíram 0,06% (papéis ordinários) e 0,28% (papéis preferenciais).

* Com informações da Reuters

pt Português
X
Open chat