Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Qual é o segredo da China?

Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

A questão chave é, claro, como a China consegue produzir coisas tão baratas? A resposta mais natural é presumir que os baixos salários são o principal motivo. A fabricação de brinquedos, por exemplo, pode exigir muita mão-de-obra, que pode representar até 75% do custo total. Esse tipo de trabalho não é realizado pelos 400 milhões de novos ricos que agora pertencem à classe média chinesa, mas pelo meio bilhão de trabalhadores comuns que ainda ganham 150 euros por mês ou menos. Essas são as pessoas que fazem os produtos baratos que o mundo tanto adora. 

Mas se a mão-de-obra barata é o único segredo do sucesso, por que o “milagre” chinês não se repetiu na Índia ou na Indonésia? E como o argumento do ‘custo de mão de obra’ se aplica a produtos em que quase nenhum trabalho manual está envolvido? O tipo de sistema autônomo pode operar 24 horas por dia e requer pouca supervisão. Para esse tipo de produto – na verdade, para a maioria dos produtos fabricados na China – a mão-de-obra é menos de 20% do custo total. Isso não significa que os baixos salários não sejam mais um fator, mas estão se tornando um fator menos importante para explicar por que estamos comprando cada vez mais produtos da China. Bens feitos com mão de obra barata certamente ainda existem na China, mas hoje os salários dos operários chineses são o dobro do que são no Vietnã e em outros países vizinhos.

Em minha análise, o que realmente torna a China tão barata é a escala de produção. Isso é mais uma questão de atitude mental do que qualquer outra coisa: eles ‘pensam grande’ e, portanto, são capazes de lucrar com economias de escala extremamente grandes. As fábricas chinesas pensam inicialmente em termos de exportação. Eles compram a granel e possuem várias linhas de produção, com o objetivo de encher o máximo de contêineres que puderem. Como resultado, as margens baixas não são um problema. Tudo o que conta é a produção ininterrupta e o crescimento rápido.

Trecho do livro: O Novo Normal da China. https://www.youtube.com/c/PascalCoppens. Contato e informações sobre as palestras de Pascal Coppens: +55(84) 999833497

pt Português
X
Open chat