Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

De 2013 a 2021, mais de 800 mil toneladas de embalagens foram recuperadas pelo programa “Dê a Mão para o Futuro- Reciclagem, Trabalho e Renda”

Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O programa de logística reversa “Dê a Mão para o Futuro — Reciclagem, Trabalho e Renda” celebra o Dia Internacional da Reciclagem (17 de maio), compartilhando seus resultados positivos de 2021, ao atingir um volume de recuperação de resíduos recorde, de 147.183 mil toneladas de embalagens recicláveis, a maior marca desde que teve início a série histórica em 2013. O marco ultrapassa a meta de 22% da massa global de embalagens inseridas no mercado nacional.

Idealizado e coordenado há 16 anos pela ABIHPEC — Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, o Programa “é realizado em parceria com a ABIMAPI — Associação Brasileira de Biscoitos, Massas Alimentícias e Bolos Industrializados e a ABIPLA – Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional.

O número expressivo foi alcançado em meio ao segundo ano pandêmico no Brasil, quando aumentou a flexibilização das medidas restritivas, o que permitiu impulsionar a concretização de parcerias com novas cooperativas, redes e organizações de reciclagem de materiais recicláveis, integrando milhares de catadores.

Além disso, o “Dê a Mão para o Futuro” adotou estratégias para expandir sua abrangência geográfica, estando presente agora nas 27 Unidades Federativas do país, via 179 cooperativas, localizadas em 125 municípios.

De 2013 a 2021, o Programa “Dê a Mão para o Futuro”, somou um total de 802.500 toneladas de massa recuperada e encaminhada para reciclagem, fruto de um investimento total de mais de R$ 100 milhões, feito sempre com base em relações formais com cada uma das cooperativas ou redes participantes do Programa, o que inclui desde o início, a elaboração de um planejamento estratégico participativo dos investimentos a serem realizados e assim, estabelecendo e mantendo a confiança e a transparência com tais organizações parceiras.

Em 2021, foram mais de R$ 18 milhões destinados à compra de equipamentos, adequação de infraestrutura, capacitação e assessoria técnica – entre outros investimentos – que beneficiaram o trabalho de 6.074 mil catadores.

O Programa “Dê a Mão para o Futuro” é uma iniciativa que não só valoriza as pessoas, como impacta positivamente a vida delas. O programa apresentou uma evolução expressiva na renda média mensal dos catadores em relação ao ano anterior. Em 2020, 52% recebiam acima de um salário mínimo mensal. Em 2021, esse índice subiu para 77%. Vale ressaltar que a maioria dos catadores impactados pelo Programa são mulheres 56% e 44% são homens.

Indicadores de Sustentabilidade

Em 2021, o Programa “Dê a Mão para o Futuro” foi selecionado pela segunda vez pela Comissão Econômica para América Latina e o Caribe -CEPAL (ONU), como um exemplo de iniciativa sustentável pelos resultados alcançados e ainda, considerando-se o modelo estruturante de trabalho com as cooperativas, o programa hoje, atende a sete dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

O CEPAL (ONU) analisou as iniciativas do programa e concluiu que a atuação do Programa “Dê a Mão para o Futuro” criou impactos positivos na geração de emprego e renda, além da promoção do desenvolvimento local e redução das desigualdades de gênero, de raça e geracionais.

pt Português
X