Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Maurina Pereira Carneiro: A Condessa que se fez jornalista (Parte 9)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Oito páginas iniciais somente, um editorial do Conselheiro Rodolsfo Dantas, seu fundador e muitas notícias e seções, entre elas as ‘Efemérides brasileiras’, assinadas pelo Barão do Rio Branco. Ela sempre reverenciando ao legado do finado marido, havia inaugurado, em janeiro de 1962, o busto Pereira Carneiro, de autoria de Egisto Bertozzi, na Praça Marechal Âncora, devido a sua ligação com a Panair do Brasil. Mas, o mesmo, foi posteriormente transferido para a Praça Luís de Camões, na Glória. E durante longos anos, a Condessa Pereira Carneiro dirigiu o JK tendo, como diretores, M.F.do Nascimento Brito, José Sette Câmara e Bernard Campos, além de Alberto Dines como editor-chefe. E sua equipe chegou a ter cerca de 400 repórteres e redatores no Rio, no Brasil inteiro e em várias capitais do exterior.

Na década de 1970, a Condessa Pereira Carneiro, além da direção do JB, voltaria à sua agitada vida social de outrora, figurando constantemente em colunas sociais, como as de Ibrahim Sued. Por exemplo, em 1974 seria uma das organizadoras – ao lado de Zoé Chagas Freitas, Carolina Nabuco, Tônia Carrero e Sara Kubitschek – do almoço vip que festejou os 80 anos da Dra. Berta Lutz. Mesmo ano em que ajudou o casal Adolpho Bloch a recepcionar a Princesa Alexandra da Inglaterra em sua visita à Guanabara, entre muitos outros acontecimentos.

A repentina morte da Condessa Pereira Carneiro ocorreu em Brasília, onde foi assistir à condecoração de seu genro, Manoel Francisco do Nascimento Brito, presidente do conselho diretor do “Jornal do Brasil”, com a Ordem do Império Britânico. D. Maurina morreu de uma parada cardiorrespiratória, no dia 6 de dezembro de 1983, no Centro de Reabilitação Sara Kubitscheck, em Brasília. Até hoje seu nome ecoa nas obras que fez e também sempre vivo na atuação da Banda Marcial Condessa Maurina Pereira Carneiro, que deixa a lembrança de seu nome – sugestivo perfil de graça nórdica e de destaque no âmbito social da metrópole nacional -, nunca esquecido. A Condessa praticamente viveu sua vida no ambiente apaixonante de jornal. E a imagem que ficou dela, seria da velha senhora no salão nobre do “Jornal do Brasil”, povoado de móveis e de quadros antigos, e num ambiente da mais perfeita austeridade, quando então, recordava fatos curiosos da sua existência, que foi cheia de lances extraordinários. E o que ela realizou, com a sua atividade, foi, antes de tudo, uma obra de amor. De fato, a Condessa Pereira Carneiro, injustamente esquecida nos dias de hoje, não só continuou, mas também engrandeceu a preciosa herança que lhe foi deixada. O nome de D. Maurina, atualmente é muito pouco conhecido do grande público, que ignora o grande poder (poder, sobretudo da proximidade com o poder) que, um dia, teve esta mulher em nosso país. E ela, que está sepultada no cemitério São João Batista (jazigo perpétuo da família, 85-A, Aléia 1) deixou a sua herança emotiva, as suas trajetórias, ainda vivas na história do jornalismo brasileiro!

pt Português
X