Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Opinião: A proteção da Constituição é um dever de todo cidadão brasileiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

A postura dos imperadores encastelados na estrutura do Supremo Tribunal Federal (STF) é de dar inveja aos grandes ditadores do Império Romano tais como Otávio Augusto, Tibério, Calígula, Nero, Vespasiano, Marco Aurélio, Tito Flavio, Adriano, Cômodo, Décio, Galiano, Constantino.

Corrobora com esses imperadores a postura covarde dos presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, aliás, todos os congressistas que se mantém omissos diante dos violentos ataques dos imperadores do STF à nossa Carta Magna. Rasgam diariamente nosso maior instrumento democrático conquistado com muitas lutas durante e após os anos de chumbo.

Àqueles que deveriam ser os guardiões, premeditadamente estão destruindo a maior proteção de liberdade do povo, o Estado de Direito, a democracia, todas as formas de liberdade. Impõe a censura a todas as opiniões e palavras que se rebelam contra os ditadores de toga, além de destruírem a independência entre os poderes constitucionais. Estão proibindo nossos direitos de pensar, opinar, manifestar e se expressar, além impor censura ideológica. Em franca militâncias políticas tomam decisões ilegais, inventam inquéritos, condenam e mandam prender todos àqueles que se opõe a tirania e à opressão de toga. Para esses tiranos, casa não é mais o asilo inviolável, os poderes não são mais independentes e harmônicos.

Em mais um recente ato tirano e desrespeitoso, o imperador Alexandre de Moraes, em um Congresso de Magistrados, afirmou publicamente que todos que se utilizam das plataformas e da internet são imbecis, disse: “as plataformas e a internet deram voz aos imbecis”. Se há imbecis, certamente não são os milhares de brasileiros que utilizam as redes sociais. Imbecis são àqueles encastelados no STF que estão destruindo a Constituição.

Eles estão no comando diante de um congresso de covardes, volto a repetir. Tentam manter o povo refém utilizando-se de práticas ilegais e totalitárias. Combater o autoritarismo e o fascismo dos homens de toga é um dever e uma obrigação de todo cidadão que preza e defende a democracia e o Estado Democrático de direito.

Diante da covardia e da omissão de deputados e senadores, temos que eleger representantes que defendam o interesse do povo. Não podemos esquecer o que disse o imperador Barroso regado a lagostas e vinhos caros:”Eleição não se vence, se toma…”. E é o que eles estão fazendo. Tomaram o poder e estão governando e contrariando todas as iniciativas dos congressistas que em 1988, através da Assembleia Constituinte promulgaram a nossa Carta Magna, quando o saudoso deputado Ulysses Guimarães, na promulgação no dia 5 de outubro de 1988, proclamou: “Descumprir, jamais; afrontá-la, nunca!”; “Promulgamos o estatuto do homem da liberdade”; “Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube eis o primeiro mandamento da moral pública”. A corrupção é o cupim da República”. Dr. Ulysses Guimarães afirmou ainda “o poder que emana do povo e em seu nome será exercido”, está escrito.

A Constituição foi literalmente jogada no lixo por esses imperadores do STF. O tribunal de exceção constitucional destruiu os princípios da imparcialidade, impessoalidade, da livre manifestação do pensamento e de expressão e, recentemente decidiram que falas ofensivas não estão protegidas pela imunidade de deputados e senadores. Ignoraram o princípio do devido processo legal.

O presidente do Senado declarou que: “não deixarei o Supremo isolado”. Para eles, verdadeiros covardes, os ministros ditadores são mais importantes do que o povo.

Os imperadores do STF sob falsos argumentos inventaram palavras de ordens tais como “atentado a democracia” “combate ao extremismo antidemocrático”, “fake news”, “ataques às instituições e ao Estado Democrático de direito” “milícias digitais” “atentados contra autoridades”, “indústria de monetização”, etc sem que tenha havido materialidade, ou seja, não há provas.

Eu lembro que participei de diversas manifestações na década de 90, contra as privatizações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) no governo Itamar Franco, da Vale do Rio Doce no governo FHC, o pau quebrando na Praça XV com a polícia militar cercando a Bolsa de Valores para impedir que invadíssemos. Entoávamos palavras de ordem contra os governantes e contra o judiciário, o mesmo ocorrendo durante as manifestações das “Diretas Já”, no “fora Collor e FHC”. Não lembro que os insultos aos governantes e ao judiciário tenham sido interpretados como “atentado à democracia”.

Com certeza absoluta o atentado a democracia está acontecendo agora através das ações dos imperadores do STF.

pt Português
X