Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Tomaz Adour e o ingrediente que faltava (Parte 2)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Anteriormente, em entrevista com, Tomaz Adour, presidente da editora Vermelho Marinho, vimos um pouco das venturas e desventuras de empreender no ramo literário. Hoje, continuaremos descobrindo as diferentes formas de se empreender com a escrita dentro do métier das editoras, com grande oportunidade ao final. Então, vem comigo e descubra!

Se você ama ler, escrever, é analítico, paciente e tem certa disciplina; trabalhar para uma editora, pode ser uma oportunidade rentável e gratificante . Todavia, para quem pensa em começar como editor logo de “cara”, a realidade é que como tudo que é sério na vida, você não comerá o fruto no mesmo dia em que plantou a semente; por isso, dê o primeiro passo e confie no processo. Todavia, Adour, afirma que nesse ramo a pessoa inicia a carreira como revisor ou editor-assistente, ou seja, profissionais que corrigem, adaptam e deixam o texto enxuto. Entretanto, existem outros profissionais como o diagramador, que faz todo o projeto gráfico do livro e o tradutor que traduz as obras. Nesse ponto, Tomaz, explica que trabalha com tradutores iniciantes que traduzem livros e não tem como publicar, sendo assim, Adour, publica a obra para ele e oferece os direitos autorais, para que cada vez que o livro for vendido o tradutor receba o valor equivalente ao trabalho que foi realizado uma única vez, com ganhos que podem atingir valores conforme a sua produtividade. E isso gera uma das rendas mais queridas do mundo, qual seja, a renda passiva! Lembrando que atualmente rarisssímas editoras aderem essa prática, embora seja o justo.

Adour anunciou, em primeira mão sobre o seu mais novo projeto inclusivo; a Usina de Talentos, que oferecerá a oportunidade de trabalho
para pessoas jovens, idosas ou com alguma deficiência, que aspirem iniciar suas carreiras no mercado editorial e que possuem um bom conhecimento da língua portuguesa. Nesse projeto os contratados digitarão a edição original dos clássicos; no entanto ao concluir o trabalho o contratado ganhará uma parte do direito autoral do livro, a cada vez que o mesmo for vendido, para o resto da vida! Os envolvidos poderão também pleitear outros cargos. Segundo Adour, o projeto será sem restrições ou preconceitos, arregimentando homens e mulheres, até 99 anos de idade, que gostem principalmente de ler e escrever, sem a necessidade de um diploma como pré-requisito para cadastrar-se no projeto.

Acima de tudo, mesmo que você tenha os pré-requisitos mínimos citados , tenha sempre em mente que escrever é um ato de amor e como diz @tomazadour, de humildade, pois o mesmo que ensina, também deverá ser o mesmo que se permite aprender. Por fim, as grandes chances do projeto Usina de Talentos, estão na oportunidade de lucro a longo prazo, renda passiva e hereditária. Se você quer monetizar sua escrita, prepare-se para a seleção que acontecerá daqui a alguns meses.

pt Português
X