Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Aumento de casos de COVID: 5 dicas para evitar o contágio no transporte público

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Em março, foi decretado o fim da obrigatoriedade do uso de máscara em locais fechados, após mais de 600 dias desde o início da medida. No entanto, com a chegada do frio, no final de maio, os casos de COVID e gripe estão aumentando significativamente. De qualquer forma, o uso das máscaras seguiu como obrigatório e necessário nos transportes públicos e locais de serviços de saúde, como por exemplo os hospitais.

Pensando nisso, a Quicko, app de mobilidade urbana, separou 5 cuidados para facilitar a rotina de quem usa o transporte público, reforçando a agilidade e segurança ainda necessárias no momento.

1. Contar com aplicativos de mobilidade urbana

Os apps voltados para a mobilidade urbana, a exemplo da Quicko, são uma das principais alternativas para uma melhor experiência do usuário, pensando em uma mobilidade mais sustentável e centrada nas pessoas. Juntando tecnologia e informações em tempo real, essa inovação no setor pode facilitar o uso dos transportes coletivos e beneficiar o usuário.

2. Créditos para o cartão de transporte

Uma das formas é optar pela compra de créditos para o cartão ou bilhete único de forma digital, benefício dos aplicativos de mobilidade urbana. A Quicko, por exemplo, oferece em cidades como São Paulo e Salvador a recarga de bilhetes móveis com integração entre os modos de transporte, como ônibus, metrô e trem. O usuário pode comprar os créditos para o seu bilhete de transporte de forma digital via cartão de crédito ou PIX. Depois, basta ir até uma estação de metrô ou terminal e ativá-los para o bilhete. As tarifas são debitadas sem contato e eliminam completamente a necessidade de lidar com qualquer dinheiro físico ou cartões – bastante conveniente em tempos de pandemia.

3. Planejar rotas com apps que fornecem informações em tempo real

A tecnologia é aliada para evitar os imprevistos que sempre acontecem nos transportes públicos. Por meio dos aplicativos de mobilidade urbana, já é possível receber informações e alertas em tempo real sobre o que está acontecendo no transporte coletivo e, assim, planejar sua rota para que seja mais rápida e segura, reduzindo o tempo de exposição aos possíveis riscos de contágio pela Covid-19. O app da Quicko, por exemplo, aposta em reportes de problemas como greve, mudanças de linha ou horários, alagamentos, linhas com lentidão, entre outras, permitindo uma maior previsibilidade na rotina.

4. Seguir as recomendações de segurança

Máscara adequada e álcool gel são parceiros fundamentais para o dia a dia, principalmente nos ônibus e metrôs, que recebem muitos passageiros diariamente. Além disso, não é ideal colocar as mãos no rosto, boca ou olhos.

5. Guardar a máscara adequadamente

Como o uso obrigatório das máscaras foi liberado em grande parte dos locais fechados, é preciso saber a melhor maneira de guardá-la depois do seu uso nos lugares exigidos, como o transporte público. Primeiro, evite pendurar a máscara no braço, queixo, amassar ou colocar no bolso e deixe-a longe de umidade. O ideal é guardá-la em um saco plástico assim que tirá-la do rosto, evitando encostar no tecido que cobre a boca e o nariz.

pt Português
X